Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Tabelinha é confiável para não engravidar? Entenda tudo sobre o método

Tabelinha é confiável para não engravidar? Entenda tudo sobre o método

A tabelinha é um método contraceptivo natural baseado no ciclo menstrual, mas será que ela é confiável se você não quer engravidar? O método da tabelinha consiste em saber exatamente qual o período fértil e evitar ter relações sexuais desprotegidas nesses dias, pois as chances de engravidar são altas. Com o tempo, a tabelinha foi perdendo espaço para outras formas de prevenção a gravidez mais eficazes, como a pílula anticoncepcional, porém ela continua sendo a escolha de algumas mulheres. Mas será que ela é confiável? O Só Delas conversou com a ginecologista Dra. Juliana Vargas para entender melhor sobre como ela funciona e quais as chances de eficácia do método.

 

Tabelinha não é muito confiável e só é indicado para mulheres com ciclo menstrual regular

 

A tabelinha  é um método que busca determinar quando acontece o período fértil da mulher. Para isso, ela precisa ficar bem atenta ao o seu ciclo menstrual pelo período de pelo menos 6 meses. Isso ajuda a ter uma noção de quando acontece a sua ovulação e os dias em que tem mais chances de engravidar. Com essas informações, ela sabe os dias em que não pode ter relações sexuais pois as chances de engravidar são muito altas. O problema, é que a tabelinha é um método válido somente para quem tem um ciclo regular e mesmo nesses casos, é possível que aconteça alguma desregulação pontual. Por esse motivo, segundo a Dra Juliana Vargas, a tabelinha não é muito confiável. “A tabelinha é um método contraceptivo com uma eficácia baixa, podendo falhar em torno de 20 a 30% dos caso”. Para a ginecologista, mulheres com ciclo irregular são as que correm mais riscos de engravidar, já que a sua janela de fertilidade não segue uma lógica certeira: “No ciclo irregular não há como precisar a duração do ciclo menstrual, aumentando a chance de falha”. 

 

Além das DST’s, a tabelinha não é indicada para adolescentes que acabaram de menstruar, pois o organismo demora em torno de dois anos para regularizar o ciclo menstrual. 

 

Tabelinha é um método feito com a observação do ciclo menstrual 


A ginecologista afirma que, antes de recorrer à tabelinha, é importante que a mulher conheça bem o seu ciclo menstrual e fique atenta a sua duração. Por isso, é importante fazer um acompanhamento dos ciclos anteriores. “O primeiro dia do ciclo será o primeiro dia da menstruação e o último será um dia antes da próxima menstruação”. Depois, é só começar a contar os dias para saber a data exata da ovulação e do período fértil. Em uma mulher com um ciclo de 28 dias, por exemplo, o cálculo é feito somando 14 dias depois da chegada da menstruação, pois a ovulação acontece na metade do ciclo. Já o período fértil engloba os cinco dias antes e cinco dias depois da liberação do óvulo. É importante prestar atenção nisso, pois mesmo que um óvulo tenha um tempo de vida em torno de 12 a 36 horas, um espermatozóide consegue ficar até cinco dias vivo dentro do corpo da mulher. Sendo assim, é sempre bom estender a janela de fertilidade evitando ter relações sexuais nesses dias. 

 

Mesmo com as incertezas, a tabelinha também pode ter algumas vantagens. Uma delas é que o método é totalmente hormonal e não tem nenhum efeito colateral. Além disso, ele também ajuda a mulher a ter mais conhecimento do seu corpo e do funcionamento do seu ciclo. 

 

Tabelinha não previne DST por isso é importante usar camisinha sempre

 

Mesmo que você tenha êxito com o método da tabelinha, o uso do preservativo deve ser sempre um hábito. Gravidez não é o único risco de uma relação sexual desprotegida, mas doenças sexualmente transmissíveis também podem ser transmitidas por sexo sem segurança. Aliás, o uso do preservativo ajuda a aumentar aumentar a eficácia da tabelinha.  

 

Por isso, não deixe de consultar o seu ginecologista para manter a saúde íntima em dia e descobrir qual é a melhor opção de método contraceptivo para você.

 

Este artigo tem a contribuição da especialista:
Dra. Juliana Vargas, ginecologista e obstetra da Perinatal
CRM: 52818640

semprelivre_bottom1_dance_new

  • Menstruação
    Posso ir à praia ou piscina menstruada? Saiba como curtir o verão sem neuras!
    Foi para um lugar de praia e ficou menstruada no meio da viagem? Não tem problema! Com a ..
  • Menstruação
    Veja 6 situações do dia a dia que quem sente muita cólica vai se identificar
    “Oi, sumida?!”. Todo mês as cólicas surgem de surpresa, como a mensagem daquele cari..
  • Menstruação
    Qual a diferença entre cobertura suave e seca? Saiba como escolher a ideal para você!
    Quem já se perguntou alguma vez por que existem taaaantas opções de absorventes diferen..
  • Menstruação
    Frescura? Sério? Pensamentos que passam pela sua cabeça quando alguém reclama da sua TPM
    Apesar da tensão pré-menstrual ser um momento só seu, todo mundo adora dar pitacos, né..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Quiz
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação? Teste seus conhecimentos
    A ovulação e o período fértil são duas fases do ciclo menstrual em que a mulher tem mais...
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação?  Teste seus conhecimentos
  • Menstruação
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
    Na maioria das vezes, a menstruação preta é normal e não representa problemas de saúde....
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
  • Menstruação
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
    Muitas mulheres ficam em dúvida sobre quantos dias depois de acabar o anticoncepcional...
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
  • SE CUIDA!
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
    A primeira consulta com o ginecologista é um momento muito importante para esclarecer...
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
  • VER TODAS >