Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Sintomas de DST: saiba quando é necessário fazer exames

Sintomas de DST: saiba quando é necessário fazer exames

Conhecer os sintomas de DST (Doença Sexualmente Transmissível) é fundamental para buscar uma avaliação médica e realizar o diagnóstico o quanto antes. Algumas doenças transmitidas por via sexual podem provocar sérias complicações caso não recebam o tratamento adequado. Por isso, é muito importante estar atenta aos primeiro sinais de infecção, que geralmente incluem corrimento vaginal verde ou acinzentado, verrugas e feridas na vulva e na vagina, ardência ao urinar, dor durante o sexo e pequenos sangramentos.

 

As DST’s são provocadas por diversos agentes e têm a relação sexual sem proteção como o principal meio de contágio. Por essa razão, o uso da camisinha (masculina ou feminina) ainda é a melhor forma de se proteger contra as DST. Vale lembrar que os riscos se estendem ao sexo oral e anal, não sendo restritos à penetração vaginal. A transmissão pode ser feita pelo contato íntimo com o órgão genital, com a secreção peniana ou vaginal e com o sangue. Portanto, jamais abra mão do preservativo! 

 

Confira a seguir os principais sintomas de DST:

 

1) Corrimento vaginal e dor ao urinar são sintomas ligado a tricomoníase

 

Ao notar um corrimento abundante com coloração esverdeada e dor ao urinar, pode ser um sinal de tricomoníase. A doença transmitida sexualmente é provocada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. A infecção atinge o órgão genital, podendo ocasionar inflamação na bexiga (cistite) e na uretra (uretrite). 

 

A tricomoníase pode ser uma doença assintomática por muitos meses. Ou seja, é possível contrair a doença e não apresentar nenhum tipo de sintoma por algum tempo, o que atrasa o tratamento e pode gerar vaginite (inflamação vaginal mais severa). Além do corrimento vaginal abundante e amarelado ou esverdeado, outros sinais da tricomoníase são: mau cheiro na vagina, vermelhidão no local, coceira, ardência e dor durante a relação sexual. O tratamento para esta infecção é feito com grande dose de um determinado antibiótico oral para os parceiros sexuais. 

 

2) Dor durante o sexo não é normal e pode indicar a presença de vários tipos de DST

 

Algumas DSTs provocam feridas e irritações na vagina. Essas lesões são a principal justificativa para o desconforto durante as relações sexuais. Além da dor, a mulher também pode sentir ardência e até mesmo sangramentos vaginais durante a relação. Esse quadro costuma estar associado à doenças como gonorreia, clamídia, sífilis e herpes genital. Veja mais detalhes a seguir:

 

  • Gonorreia: é uma infecção bacteriana sexualmente transmissível que afeta homens e mulheres. Os sintomas da gonorreia incluem corrimento abundante, dor ao urinar, dor no baixo ventre (pé da barriga) e sangramento fora da menstruação. Quando não recebe o tratamento adequado, a doença pode causar infertilidade e Doença Inflamatória Pélvica (DIP). 

 

  • Clamídia: é uma infecção bacteriana que acomete os órgãos genitais, mas também pode afetar a garganta e os olhos. Os principais sintomas são corrimento amarelado ou claro e dor no baixo ventre, dor durante a relação sexual e sangramento. O surgimento tardio dos sintomas pode dificultar o tratamento. Quando não é tratada adequadamente, a clamídia também pode causar DIP. 

 

  • Sífilis: é uma infecção bacteriana transmitida pelo contato sexual sem proteção. Os sintomas da sífilis podem variar de acordo com os seus diferentes estágios (sífilis primária, secundária, latente e terciária). No geral, os principais sinais da doença são feridas na região infectada, ínguas pelo corpo, manchas na pele e até mesmo febre e dor de cabeça. A bactéria causadora da sífilis tem um tempo de incubação de até 90 dias, sendo, em média, de 21 dias. A doença leva entre 30 a 50 dias para ser apontada no exame diagnóstico. 

 

  • Herpes genital: é uma infecção comum e sexualmente transmissível provocada pelo vírus herpes simples. A doença afeta a pele e inicialmente provoca pequenas feridas, coceira e dor no órgão genital. O período de incubação do vírus da herpes varia de 2 a 7 dias, aproximadamente. Após a infecção, o vírus permanece inativo no corpo e as crises podem ser controladas com medicamento. 

 

3) Verrugas, úlceras e ferimentos na vagina são um sinal de alerta para herpes e HPV

 

Lesões na vagina, como verrugas e úlceras, nunca devem passar despercebidas. Caroços na virilha também são um sinal de que a mulher pode ter contraído alguma DST. Esses ferimentos ainda provocam outros desconfortos, como mau cheiro e ardência ao fazer xixi, devido principalmente à acidez da urina. DST’s como a sífilis, herpes e o HPV estão entre as principais responsáveis para esse tipo de lesão. O HPV é um vírus que infecta a pele e as mucosas e pode provocar lesões precursoras de alguns tipos de câncer (colo do útero, garganta ou ânus). Ao notar qualquer espécie de ferimento na vagina, não pense duas vezes antes de procurar ajuda médica! Quando não tratadas, essas feridas podem ocasionar complicações mais sérias, como câncer do colo do útero. 

 

4) Coceira na vagina acompanhada de ardência são sintomas em comum para herpes genital e sífilis 

 

A coceira vaginal, assim como a ardência, são formas que o organismo feminino encontra para reagir à invasão de agentes externos. Por isso, na maioria das vezes, esses sintomas seguem outras manifestações pré-existentes, como feridas e inflamações na região íntima. A sífilis e a herpes genital são exemplos de DST que podem gerar esse tipo de sintoma. 

 

A boa notícia é que os incômodos podem ser reduzidos no início do tratamento. Atualmente, a forma mais eficaz de tratar a sífilis é através da penicilina benzatina (também conhecida como benzetacil). O tratamento para a herpes genital, por sua vez, costuma ser feito por meio de medicamentos antivirais, que aliviam os sintomas e curam as lesões com mais rapidez. 

 

5) Dor na região pélvica indica que a DST pode estar em um nível mais avançado

 

Sentir dores na região pélvica ou no baixo ventre não é um bom sinal. Quando atingem um nível mais avançado, algumas DST podem atingir outros órgãos do sistema reprodutor feminino. Essa dor pélvica pode ser um indicativo disso e serve para sinalizar a presença de algum processo inflamatório no local. Clamídia, gonorreia, herpes genital e tricomoníase podem levar a esse tipo de complicação. 

 

6) Ardência na vagina pode ser resultado de ferimentos na região íntima, outro sintoma de DST

 

É natural que, ao apresentar lesões na vagina, a mulher também sinta ardência e coceira no local. Nesses casos, também é comum notar uma mudança no aspecto da região íntima, que pode se tornar avermelhada e até mesmo inchada. O contato com o xixi pode piorar bastante o desconforto. Assim como as relações sexuais, que também são capazes de intensificar o incômodo. DST como clamídia, gonorreia, o HPV, a tricomoníase e a herpes genital são conhecidas por gerar esses sintomas. Vale lembrar que só um(a) ginecologista poderá confirmar o diagnóstico da doença. 

SL_Arroba_turbante_Semprejunta

Symantic Display

  • SEGREDINHOS DE...
    SEGREDINHOS DE...
    Comeu demais no Natal? Saiba como fazer um detox leve para o Ano Novo
    Comeu demais no Natal? Saiba como fazer um detox leve para o Ano Novo
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Tipos de cólica: saiba quando o sintoma não tem a ver com o período menstrual
    Tipos de cólica: saiba quando o sintoma não tem a ver com o período menstrual
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Saiba como fazer o autoexame nos seios e por que ele é importante para a sua saúde
    Saiba como fazer o autoexame nos seios e por que ele é importante para a sua saúde
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Saiba quais exames são importantes para manter a saúde feminina em dia
    Saiba quais exames são importantes para manter a saúde feminina em dia
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • Menstruação
    Menstruação
    O que não pode fazer quando está menstruada? Veja!
    O que não pode fazer quando está menstruada? Veja!
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Cultura vaginal: o que é e quando devo fazer?
    Cultura vaginal: o que é e quando devo fazer?
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Inchaço corporal durante a menstruação: veja o que você pode fazer para aliviar os sintomas
    Inchaço corporal durante a menstruação: veja o que você pode fazer para aliviar os sintomas
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Que tal mudar o visual? Cabelo cresce e você pode ajudar alguém. Saiba como fazer doações de cabelo
    Que tal mudar o visual? Cabelo cresce e você pode ajudar alguém. Saiba como fazer doações de cabelo
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    O que fazer quando a cordinha do absorvente interno sumir? Veja dicas de uma ginecologista
    O que fazer quando a cordinha do absorvente interno sumir? Veja dicas de uma ginecologista
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Sintomas de herpes genital: fique atenta aos sinais e saiba como tratar
    Sintomas de herpes genital: fique atenta aos sinais e saiba como tratar
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • semprelivre_bottom1_dance_new

  • PRIMEIRA VEZ
    Medo de ir ao ginecologista? Não precisa! Saiba o que esperar de uma primeira consulta
    A primeira ida ao ginecologista gera um certo receio em muitas garotas, mas não há motiv..
  • PRIMEIRA VEZ
    1º dia de aula na faculdade: a blogueira Natalia Salvador contou como encarou o medo e deu dicas de como lidar com essa mudança
    Uma das maiores mudanças do início da nossa vida adulta é a entrada para a universidade..
  • PRIMEIRA VEZ
    5 coisas que ninguém te contou sobre sua primeira menstruação
    A primeira menstruação acontece de forma inesperada, já que, na maioria das vezes a gen..
  • PRIMEIRA VEZ
    Intercâmbio: blogueira Paola Piola conta sobre a 1ª vez que lidou com a independência em outro país
    Fazer intercâmbio é o sonho de muitas adolescentes, principalmente depois dos 18 anos, q..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • PRIMEIRA VEZ
    Primeira menstruação: 11 fatos importantes para te ajudar a se preparar para a menarca
    A primeira menstruação, chamada de menarca pela ciência, marca o início da vida...
    Primeira menstruação: 11 fatos importantes para te ajudar a se preparar para a menarca
  • Menstruação
    Absorvente Sempre Livre Adapt Plus proporciona conforto flexibilidade e discrição. Confira!
    Toda mulher merece um absorvente que a deixe confortável e segura sem precisar abrir mão...
    Absorvente Sempre Livre Adapt Plus proporciona conforto flexibilidade e discrição. Confira!
  • Menstruação
    O.B.® Médio ProComfort é a melhor opção para fluxo moderado: conheça os benefícios
    A maneira ideal de escolher o absorvente interno é saber identificar qual é a intensidade...
    O.B.® Médio ProComfort é a melhor opção para fluxo moderado: conheça os benefícios
  • Menstruação
    Cor da menstruação: vermelha, marrom ou preta pode mudar com o tempo?
    Você já deve ter percebido que a cor da menstruação muda ao longo do período menstrual. A...
    Cor da menstruação: vermelha, marrom ou preta pode mudar com o tempo?
  • VER TODAS >