Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Pausa do anticoncepcional: 5 fatos esclarecedores sobre o intervalo entre as cartelas da pílula

Pausa do anticoncepcional: 5 fatos esclarecedores sobre o intervalo entre as cartelas da pílula

A pausa do anticoncepcional ocorre no intervalo entre o término de uma cartela e o início de outra. Seu tempo varia de acordo com o tipo de pílula utilizada, sendo de 7 dias para as cartelas com 21 comprimidos ou de 4 dias para as de 24. É durante a suspensão do anticoncepcional que acontece o período menstrual, que na verdade é apenas um sangramento de privação hormonal que faz com que o revestimento interno do útero se desprenda.

 

Muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre a pausa do anticoncepcional: como funciona, qual a sua função, se há riscos de engravidar durante a interrupção do contraceptivo. Para esclarecer essas e outras questões, o Só Delas conversou com a ginecologista Lívia Migowski sobre o tema e listou 5 fatos esclarecedores sobre a pausa do anticoncepcional. Confira! 

 

1) A pausa do anticoncepcional deve ser feita de acordo com o tipo de pílula

 

A pausa do anticoncepcional é feita na troca de cartelas das pílulas combinadas, aquelas que possuem estrogênio e progesterona na sua composição. “Os anticoncepcionais de estrogênio e progesterona bloqueiam a ovulação. Portanto, eles permitem que a mulher interrompa por alguns dias os comprimidos sem prejuízo do seu efeito contraceptivo”, explica a ginecologista. 

 

Segundo a médica, o tempo de pausa varia de acordo com a formulação da medicação e a quantidade de comprimidos da cartela. Nas pílulas de 21 comprimidos, a interrupção é de 7 dias, enquanto no anticoncepcional de 24 a pausa é de apenas 4 dias. Entretanto, doutora Lívia afirma que não há problema em fazer uma pausa menor que a indicada pelo tipo de pílula e começar a próxima cartela antes do esperado. “Pausa menor que o habitual pode. Muitas vezes a paciente pode preferir até não dar a pausa e seguir emendando as cartelas, sem prejuízo algum”, esclarece.

 

2) O sangramento durante a pausa do anticoncepcional ocorre devido a privação hormonal 

 

O intervalo entre as cartelas do anticoncepcional é o momento em que a menstruação de quem toma pílula costuma descer. “Durante as pausas do contraceptivo ocorre uma descamação do endométrio (camada interna do útero) levando ao sangramento vaginal”, comenta a ginecologista. Esse fluxo, normalmente, surge em menor quantidade e com uma cor mais escura. Isso acontece porque a ação do contraceptivo ao inibir a ovulação, faz com que endométrio fique menos espesso. “Mulheres que usam a pílula por longos períodos ou que usam pílulas com pausa de poucos dias, podem apresentar um sangramento discreto, parecido com um corrimento marrom ou borra de café”, diz.

 

3) Minha menstruação não desceu na pausa do anticoncepcional. O que pode ser?

 

Apesar da expectativa com a chegada da menstruação durante a pausa do anticoncepcional, a Dra. Lívia comenta que, em alguns casos, o fluxo pode não descer.  “Quanto menor o intervalo de pausa mais comum não ocorrer o sangramento. Além disso, quanto mais tempo a mulher usa o anticoncepcional, mais comum o sangramento diminuir entre as pausas”, cita. Geralmente, a ausência de sangramento indica que o revestimento do útero não cresceu suficiente para se desprender e dar origem a menstruação. Caso a mulher tenha tomado os comprimidos corretamente, a recomendação é iniciar a próxima cartela normalmente, mesmo que sua menstruação não tenha chegado. “Quando o sangramento não ocorre e a mulher não usou o anticoncepcional de maneira certa, ou seja, esqueceu alguns comprimidos da cartela, é recomendado fazer um teste de gravidez”, completa a médica.

 

4) É possível engravidar na pausa do anticoncepcional? 

 

Uma das dúvidas mais comuns entre as mulheres são as possibilidades de engravidar na pausa do anticoncepcional. A doutora Lívia esclarece que as chances de ficar grávida na interrupção da pílula são muito pequenas. O risco só existe se ao longo da cartela a mulher não fizer o uso da pílula corretamente. “A pausa, como orientado na bula do anticoncepcional, não aumenta o risco de falha. Mas se a mulher der um intervalo maior que o estipulado pelo fabricante pode engravidar”, explica a médica. 

 

A pílula anticoncepcional  tem a função de bloquear a ovulação, impedindo a existência de período fértil. Durante a pausa no intervalo das cartelas, os hormônios continuam agindo no organismo, mesmo sem a ingestão diária dos comprimidos. A mulher só volta a ovular caso deixe de tomar a pílula após os dias da pausa. Como efeito, sua ação começa a enfraquecer a ponto de não conseguir mais bloquear o amadurecimento e liberação do óvulo. O mesmo acontece nos casos de esquecimento e quando a paciente toma o comprimido no horário errado. Ambas situações contribuem para a redução da eficácia do anticoncepcional no corpo. 

 

5) Uso de antibiótico durante a pausa do anticoncepcional pode interferir no efeito do método

 

Alguns tipos de antibióticos durante a pausa do anticoncepcional pode comprometer a eficácia do método. Na maioria dos casos, esse tipo de medicação não corta o efeito da pílula, no entanto, uma classe de antibióticos pode interferir na ação do contraceptivo. É o caso da rifamicinas, que também pode ser prescrita pelo nome rifampicina. Esse tipo de antibiótico é indicado em tratamentos de infecção micobacterianas, como a tuberculose. Isso acontece porque o medicamento acelera a atividade do fígado, fazendo com que ele decomponha boa parte dos hormônios presentes nas pílulas mais rapidamente. 

 

A doutora Lívia orienta que mulheres que fazem uso desse tipo de medicação devem associar um método de barreira para garantir uma melhor proteção durante o tratamento. “Vale a pena ressaltar que outras medicações, como anticonvulsivantes, também interferem com a eficácia da pílula”, finaliza. 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Livia Migowski, ginecologista e obstetra da Perinatal
CRM: 52.90682-4

semprelivre_bottom1_dance_new

  • PRIMEIRA VEZ
    Medo de ir ao ginecologista? Não precisa! Saiba o que esperar de uma primeira consulta
    A primeira ida ao ginecologista gera um certo receio em muitas garotas, mas não há motiv..
  • PRIMEIRA VEZ
    1º dia de aula na faculdade: a blogueira Natalia Salvador contou como encarou o medo e deu dicas de como lidar com essa mudança
    Uma das maiores mudanças do início da nossa vida adulta é a entrada para a universidade..
  • PRIMEIRA VEZ
    5 coisas que ninguém te contou sobre sua primeira menstruação
    A primeira menstruação acontece de forma inesperada, já que, na maioria das vezes a gen..
  • PRIMEIRA VEZ
    Intercâmbio: blogueira Paola Piola conta sobre a 1ª vez que lidou com a independência em outro país
    Fazer intercâmbio é o sonho de muitas adolescentes, principalmente depois dos 18 anos, q..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Saúde da mulher
    SOP: sintomas e tratamentos da síndrome que atinge as mulheres
    A Síndrome do Ovário Policístico é uma disfunção hormonal que leva ao crescimento de...
    SOP: sintomas e tratamentos da síndrome que atinge as mulheres
  • SE CUIDA!
    5 tipos de depilação feminina: prós e contras de cada método
    A depilação íntima faz parte da vida de muitas mulheres. Para isso, é possível encontrar...
    5 tipos de depilação feminina: prós e contras de cada método
  • SE CUIDA!
    Corrimento ou lubrificação feminina? Saiba diferenciar as secreções vaginais
    Muitas pessoas ficam em dúvida sobre qual a diferença entre corrimento e secreção vaginal...
    Corrimento ou lubrificação feminina? Saiba diferenciar as secreções vaginais
  • SE CUIDA!
    Tabelinha: por que o método é falho e outras opções de anticoncepcionais com mais eficácia
    A tabelinha é um método contraceptivo natural baseado na análise do ciclo menstrual....
    Tabelinha: por que o método é falho e outras opções de anticoncepcionais com mais eficácia
  • VER TODAS >