Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Março Lilás: câncer de colo de útero é o quarto tipo de tumor mais comum em mulheres! Saiba como se prevenir

Março Lilás: câncer de colo de útero é o quarto tipo de tumor mais comum em mulheres! Saiba como se prevenir

O câncer de colo de útero é um dos tumores de maior incidência no Brasil. Por esse motivo, além de contar com o dia internacional da mulher, o mês de março também é reservado para a campanha março lilás. O objetivo da mobilização é conscientizar o público feminino sobre a importância da realização periódica do exame preventivo. Também conhecido como Papanicolau, o teste não chega a confirmar a doença, mas consegue identificar possíveis alterações nas células do colo do útero e rastrear a existência de lesões pré-malignas. Dessa forma, o exame é um primeiro passo para obter o diagnóstico precoce do câncer, o que aumenta muito as chances de cura.

 

Nós conversamos com o ginecologista Alexandre Rossi sobre quais os fatores de risco para o câncer no colo do útero e a melhor forma de prevenção.

 

 

Saiba quais são as causas de câncer de colo de útero

 

De acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de colo de útero é o segundo tumor mais frequente entre as mulheres, perdendo apenas para o câncer de mama. 

A doença leva ao surgimento de verrugas na mucosa cérvix uterino, parte mais baixa do útero que fica localizada no final do canal vaginal. Segundo o Dr. Alexandre, o principal agente causador das lesões cancerígenas é a contaminação pelo papilomavírus humano, mais conhecido pela sigla HPV. “O quadro, geralmente, é decorrente de infecção persistente por tipos oncogênicos do HPV que podem promover alterações celulares que predispõem ao câncer”, explica o médico. 

 

Embora a principal causa associada ao desenvolvimento do câncer de colo do útero seja a infecção pelo HPV, o Dr. Alexandre reforça que nem todos os tipos do vírus estão ligados à doença. “Convém ressaltar que a maioria das mulheres que têm infecção por HPV não irão apresentar câncer, pelo fato de a maioria dos subtipos deste vírus não serem oncogênicos”, afirma o ginecologista. 

 

Além disso, o Dr. Alexandre também cita outros fatores que aumentam os riscos para o surgimento da doença. “Início precoce da atividade sexual, múltiplos parceiros, tabagismo e uso prolongado de contraceptivos hormonais são hábitos que favorecem o surgimento do câncer do colo do útero?”, diz. A esta lista, ainda podemos adicionar condições como multiparidade, ou seja, mulheres que tiveram várias gestações, histórico de DSTs, baixa imunidade e hábitos de higiene inadequados. 

 

 

Sintomas de câncer de colo de útero surgem quando a doença já está em estágio avançado

 

O câncer de colo do útero tem uma evolução lenta e acomete, sobretudo, mulheres acima dos 25 anos. Antes de se tornar maligna, a doença passa por um estágio inicial assintomático ou que pode apresentar apenas um corrimento diferenciado. “Conforme evolução, pode ocorrer sangramento vaginal espontâneo ou durante as relações e dor abdominal com sintomas urinários e intestinais”, esclarece o médico. 

 

Como normalmente não existem os primeiros sintomas do câncer de colo do útero, na maioria dos casos, a doença é identificada somente durante o exame de papanicolau ou nas fases mais avançadas. Por isso, é preciso manter os exames ginecológicos sempre em dia. O Dr. Alexandre explica que o rastreamento feito pelo preventivo ajuda a detectar alterações suspeitas que podem encaminhar a mulher para uma análise mais detalhada. “O exame de papanicolau é a principal estratégia para detecção de lesões precursoras e fazer o diagnóstico precoce da doença. Ele deve ser realizado em todas as mulheres com vida sexual ativa, se possível anualmente”, orienta o médico.

 

Veja também: Preventivo: dói? O que detecta? Saiba quando fazer o exame


 

Câncer de colo de útero tem cura? tratamento varia de acordo com evolução da doença 

 

Mesmo que o exame preventivo tenha revelado alterações suspeitas, ele sozinho não é suficiente para confirmar o diagnóstico de câncer de colo de útero. Para isso, é preciso recorrer a outros exames mais específicos, como a colposcopia e a biópsia. O objetivo é detectar a malignidade das lesões, identificar o tipo do vírus infectante e descobrir o tamanho do tumor. Outra informação importante do diagnóstico é saber se o câncer está situado somente no colo uterino ou se já se configura um quadro de metástase, quando atinge outros órgãos e tecidos. 

 

O tratamento do câncer de colo de útero é feito de acordo com o estágio da doença. Segundo o Dr. Alexandre, quanto mais precoce for feito o diagnóstico, maior será a chance de cura. “Em fases iniciais, eletrocirurgia em nível ambulatorial pode resolver o problema. Em outras fases podem ser necessários cirurgia, quimioterapia e radioterapia, dependendo do estágio evolutivo da doença, tamanho do tumor e o desejo de ter filhos e idade da paciente”, comenta. 

 

 

Como se prevenir contra o câncer de colo de útero? 

 

A prevenção contra o câncer de colo de útero é feita com acompanhamento ginecológico e uso de preservativo durante as relações sexuais. A infecção por HPV é considerada um tipo de IST (Infecção SexualmenteTransmissível) transmitida pelo sexo sem proteção, seja vaginal, oral ou anal.  Junto com o uso da camisinha e o exame preventivo, o Dr. Alexandre recomenda a vacina contra o HPV como uma ação complementar para a diminuição do risco de contágio pelo vírus. 

 

As vacinas contra o HPV são oferecidas gratuitamente pelo SUS e protegem de 4 tipos de vírus mais comuns no Brasil. Após a injeção, o corpo passa a produzir os anticorpos necessários para combater o vírus e assim, caso a pessoa seja infectada, ela tem menos riscos de desenvolver a doença. A vacina deve ser tomada de preferência na infância e início da adolescência. 

 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:

Alexandre Zabeu Rossi - Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e Diretor da Clínica Rossi

CRM: 79963

http://www.alexandrezabeurossi.com.br/

 

semprelivre_bottom1_dance_new

  • Menstruação
    Posso ir à praia ou piscina menstruada? Saiba como curtir o verão sem neuras!
    Foi para um lugar de praia e ficou menstruada no meio da viagem? Não tem problema! Com a ..
  • Menstruação
    Veja 6 situações do dia a dia que quem sente muita cólica vai se identificar
    “Oi, sumida?!”. Todo mês as cólicas surgem de surpresa, como a mensagem daquele cari..
  • Menstruação
    Qual a diferença entre cobertura suave e seca? Saiba como escolher a ideal para você!
    Quem já se perguntou alguma vez por que existem taaaantas opções de absorventes diferen..
  • Menstruação
    Frescura? Sério? Pensamentos que passam pela sua cabeça quando alguém reclama da sua TPM
    Apesar da tensão pré-menstrual ser um momento só seu, todo mundo adora dar pitacos, né..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Quiz
    Você conhece as principais ISTs? Faça o teste e descubra!
    As ISTs são um grupo de infecções que têm como principal via de transmissão o sexo. Elas...
    Você conhece as principais ISTs? Faça o teste e descubra!
  • Quiz
    Você conhece as principais ISTs? Faça o teste e descubra!
    As ISTs são um grupo de infecções que têm como principal via de transmissão o sexo. Elas...
    Você conhece as principais ISTs? Faça o teste e descubra!
  • Menstruação
    Sinto cólicas mas minha menstruação não desce. É normal?
    A cólica é um sintoma que normalmente é associado à chegada da menstruação. No entanto,...
    Sinto cólicas mas minha menstruação não desce. É normal?
  • Menstruação
    Sinto cólicas mas minha menstruação não desce. É normal?
    A cólica é um sintoma que normalmente é associado à chegada da menstruação. No entanto,...
    Sinto cólicas mas minha menstruação não desce. É normal?
  • VER TODAS >