Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Colocar DIU dói? Tire todas as suas dúvidas sobre o método contraceptivo!

Colocar DIU dói? Tire todas as suas dúvidas sobre o método contraceptivo!

Você já deve ter se perguntado se colocar DIU dói. Então, saiba que você não está sozinha nessa. Muitas mulheres têm a mesma dúvida sobre o dispositivo intrauterino. De acordo com ginecologistas, o procedimento para colocar o DIU pode provocar uma dor semelhante à cólicas de forte intensidade. Entretanto, essa sensação costuma variar de mulher para mulher.

 

O DIU de cobre, que tem se tornado uma opção cada vez mais popular, é uma alternativa para quem deseja abrir mão da pílula anticoncepcional e aderir a métodos contraceptivos sem hormônios. Outra possibilidade é o DIU hormonal, que libera pequenas quantidades do hormônio progesterona no organismo e também tem as suas vantagens. Assim como o de cobre, o dispositivo hormonal impede a gravidez através de determinadas alterações no útero e, além disso, ainda pode reduzir ou até mesmo suspender a menstruação. 

 

Esse tipo de método contraceptivo é um bom caminho para mulheres que têm dificuldade em administrar o uso regular da pílula anticoncepcional, já que não conta com o esquecimento como risco, e sua manutenção pode ser feita anualmente. O Só Delas conversou com a Dra. Livia Migowski, ginecologista e obstetra da Perinatal, para entender melhor o funcionamento do dispositivo. Confira a seguir! 

 

DIU: o que é? Entenda como funciona o dispositivo intrauterino  

 

DIU significa Dispositivo IntraUterino e, como o próprio nome sugere, é um aparelho inserido dentro da cavidade do útero. Pequeno e flexível, o método contraceptivo se apresenta no formato da letra T e pode ser colocado em menos de uma hora no consultório médico. Segundo a Dra. Livia, a colocação do DIU só deve ser feita no centro cirúrgico caso a inserção ambulatorial não tenha sido possível por algum motivo.  

 

Existem três tipos de DIU: o de cobre, que atrapalha a chegada dos espermatozóides ao útero ou diminui sua movimentação dentro do útero, o DIU hormonal, que altera o muco cervical e pode chegar a inibir a ovulação, e o diu de prata, que une prata e cobre em sua composição e é o modelo menos conhecido. Ao contrário do que muitas pessoas ainda acreditam, o recurso é recomendado para mulheres de todas as idades, incluindo aquelas que ainda não tiveram filhos.  

 

DIU dói para colocar? Saiba como é o procedimento 

 

Afinal, dói colocar DIU? De acordo com a ginecologista, a questão da dor durante a inserção do dispositivo intrauterino é relativa. “Algumas mulheres relatam uma dor tipo cólica forte e temos que interromper o procedimento. Entretanto, isso não é uma verdade para todas. O mais comum é a mulher sentir uma cólica suportável que já começa a aliviar logo após o fim do procedimento”, explica a profissional.  

 

Mulheres que já passaram pelo trabalho de parto, por exemplo, costumam se incomodar menos com o procedimento. Assim como pacientes que se encontram no período menstrual, quando o colo do útero está mais dilatado. “Gosto também de pedir que a paciente tome medicações para dor, como anti-inflamatórios, antes do procedimento. Estar segura, decidida e com confiança no médico torna, sem dúvidas, a colocação menos desconfortável”, adiciona.  

 

A realização do procedimento leva, em média, de 15 a 30 minutos e o mesmo dispositivo uterino pode ser usado de 5 anos (no caso do DIU hormonal e do DIU de prata) a 10 anos (no caso do aparelho de cobre).

 

Colocar DIU com anestesia: é possível? 

 

É possível utilizar anestesia local durante a colocação do DIU. A má notícia é que o alívio proporcionado pelo recurso é tão relativo quanto a resposta à dor de cada paciente. “A colocação ambulatorial pode ter uma anestesia no colo do útero, que minimiza a dor, mas alguns estudos mostraram que essa anestesia ajuda pouco”, ressalta a especialista.  

 

Em casos mais graves, o(a) médico(a) responsável tem a opção de recomendar que o procedimento seja feito fora do consultório. “Quando a inserção em consultório não foi bem sucedida, o médico pode indicar nova colocação em centro cirúrgico sob sedação, onde a paciente irá dormir durante o procedimento e não terá dor”, esclarece a Dra. Livia.  

 

DIU: dói depois que coloca?  

 

De acordo com a ginecologista, “algumas mulheres sentem uma cólica leve alguns dias após a inserção, mas isso ocorre em uma minoria”. O período total de adaptação do organismo após a colocação do DIU é de, aproximadamente, 6 meses. Porém, não é incomum que o corpo da mulher se regularize bem antes disso, entre 5 a 15 dias após a inserção do dispositivo.  

 

“É importante avisar ao médico sobre a dor mantida. Ele terá que conferir se o DIU está na posição certa e descartar uma possível infecção que a mulher possa estar desenvolvendo. Essas duas situações podem levar à dor tardia pós-inserção”, recomenda a médica.  

 

Após colocar o DIU: descubra os cuidados posteriores à aplicação do dispositivo! 

 

Entre os principais riscos do DIU, podemos citar a chance de deslocamento ou rejeição pelo corpo. A melhor forma de evitar esses e outros problemas é não abrir mão de fazer a manutenção de forma correta nos três primeiros meses. “O cuidado extra que muitas vezes, nós, ginecologistas, recomendamos, é fazer uma ultrassonografia para a verificação da posição correta do DIU”, acrescenta a obstetra. Além disso, o(a) ginecologista também pode verificar a presença dos fios através de um exame clínico.  

 

DIU hormonal e DIU de cobre: existem diferenças na colocação? 

 

Como já mencionamos, existem dois tipos de DIU: o DIU de cobre e o DIU hormonal. O primeiro dificulta a passagem do espermatozoide e previne a implantação do óvulo na parede uterina. Enquanto o segundo, por sua vez, libera gradualmente doses baixas de hormônio, o que também impede que a ovulação aconteça.  

 

Em relação a colocação de cada um, não existem muitas diferenças. “O DIU hormonal já vem acoplado no seu insertor, enquanto o de cobre normalmente não vem. Mas, o procedimento é basicamente o mesmo”, afirma a Dra. Livia.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Livia Migowski, ginecologista e obstetra da Perinatal
CRM: 52.90682-4

semprelivre_bottom1_dance_new

  • SE CUIDA!
    Lavar a calcinha no box é ruim? Confira dicas para cuidar de suas roupas íntimas!
    Você costuma lavar a calcinha no box e nem sabe se isso faz mal? Então é bom ficar de o..
  • SE CUIDA!
    Conheça 6 hábitos que podem causar corrimento vaginal e você nem sabia
    Você sabe o que causa corrimento vaginal? Alguns costumes da nossa rotina podem ser os pr..
  • SE CUIDA!
    Marcou consulta com o ginecologista? Listamos 6 coisas que você deve saber antes de ir!
    Uma coisa é certa: ir ao ginecologista pelo menos duas vezes ao ano é fundamental para a..
  • SE CUIDA!
    Você sabe qual é a diferença entre CAREFREE® TodoDia Flexi e CAREFREE® Proteção? Descubra e use os produtos da forma certa!
    Atualmente é comum passarmos o dia todo fora, mas do trabalho até a volta para casa muit..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • SE CUIDA!
    Assadura na virilha? Veja como prevenir e tratar o incômodo
    A assadura na virilha feminina pode coçar, arder, causar feridas na pele da região e...
    Assadura na virilha? Veja como prevenir e tratar o incômodo
  • SE CUIDA!
    A pílula do dia seguinte funciona no período fértil?
    A pílula do dia seguinte é um método de emergência que só deve ser utilizado em casos...
    A pílula do dia seguinte funciona no período fértil?
  • Menstruação
    Período fertil: sintomas emocionais podem estar associados à ovulação
    Você sabia que, assim como a TPM (Tensão Pré-Menstrual), o período fértil também provoca...
    Período fertil: sintomas emocionais podem estar associados à ovulação
  • SE CUIDA!
    O que pode causar escape menstrual?
    É normal ter escape menstrual em circunstâncias específicas, como quando a mulher é...
    O que pode causar escape menstrual?
  • VER TODAS >