Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Coceira dentro da vagina: o que pode ser?

Coceira dentro da vagina: o que pode ser?

Coceira dentro da vagina, também chamada de prurido vaginal, é um incômodo que pode ter diversas origens. Uma das causas mais comuns é a candidíase, uma infecção fúngica provocada por desequilíbrios na flora vaginal. Outro possível responsável pelo desconforto são reações alérgicas provenientes de produtos que tenham tido contato direto com a entrada do canal vaginal, como sabonete íntimo, absorventes internos usados durante muitas horas sem trocar, camisinha, papel higiênico, entre outros.

 

Para descobrir a verdadeira causa da coceira na vagina, o primeiro passo é marcar uma consulta com um ginecologista. Somente um profissional saberá indicar a forma correta de solucionar o problema de acordo com a origem. Também é importante ficar atento a outros sintomas que possam vir acompanhados, como corrimento vaginal atípico, sensação de ardência e vermelhidão na região. 

 

Para saber mais sobre o que pode provocar coceira na vagina  e suas formas de tratamento, o Só Delas conversou com o ginecologista Dr. Rogério Leão. 

 

 

1. Candidíase: coceira e vermelhidão na vagina estão entre os sintomas da infecção

 

A coceira dentro da vagina é um incômodo que indica que há algo irregular na região íntima da mulher. De acordo com o ginecologista, a causa mais frequente é a candidíase, uma infecção provocada por fungos que além da coceira, também apresenta outros sintomas característicos. “Os sintomas comuns da candidíase são coceira, ardência e corrimento branco pastoso”, diz ele. 

 

A candidíase costuma estar relacionada a baixa imunidade e hábitos de higiene inadequados. A infecção acontece devido um desequilíbrio no pH vaginal causado pelo aumento da população do fungo Candida albicans, que acaba alterando o nível de acidez da vagina. “É importante ter uma boa higiene íntima para evitar desequilíbrio da flora e infecções. Usar sabonetes específicos para área íntima é bom, mas deve-se também evitar duchas e introdução de produtos dentro da vagina para não desequilibrar a flora vaginal”, explica o médico. 

 

Como tratar:  Segundo o Dr. Rogério, o tratamento para a candidíase, normalmente,  é feito com uso de medicação antifúngica oral e/ou vaginais. “Também podem ser associadas pomadas anti-inflamatórias, como corticóide, ao tratamento”, acrescenta. 

 

 

2. Alergias: produtos em contato direto com a vulva podem provocar irritação local 

 

A vulva é uma região muito sensível. Por isso, é importante tomar cuidado com o tipo de produto que entra em contato direto com a área. O Dr. Rogério comenta que depois da candidíase, reações alérgicas são as causas mais comuns de coceira na vagina e na vulva. Entre os principais fatores, o médico cita sabonete íntimo e o uso de lubrificante artificial. “A coceira também pode ser causada por alguma alergia ao sêmen, camisinha, calcinha e produtos usados para lavar as peças íntimas.”, diz. O ginecologista acrescenta que, junto com a coceira, e alergia na vagina pode ser acompanhada de outros sintomas, como sensação de ardência e vermelhidão. 

 

Outro fator que pode causar alergia e coceira na vagina é o uso inadequado de absorvente, em especial o interno. Para evitar o problema, é imprescindível respeitar o tempo de troca do produto e procurar manter a região íntima sempre limpa durante todo o período menstrual. 

 

Como tratar: o Dr. Rogério explica que quadros de alergias e irritação na vagina são tratados com uso de pomadas de corticóides locais. “Antialérgicos orais também podem ser úteis”, comenta o médico. Além disso, após identificar o agente principal da reação, deve-se interromper o seu uso imediatamente. No caso de alergia à camisinha, por exemplo, é importante buscar um preservativo com material hipoalergênico, como os preservativos de poliuretano. 

 

O mesmo vale para sabonetes íntimos. Procure sempre optar pela textura líquida e com pH neutro. Já para a higienização das peças íntimas, não faça uso de sabão em pó ou amaciante. Dê preferência para o sabão em barra neutro e sem fragrância. “Calcinhas de algodão também são menos alergênicas que as feitas de outros materiais, e pode ser uma boa opção”, complementa o médico.

 

 

3. ISTs: infecções transmitidas pelo sexo podem manifestar coceira vaginal como sintoma

 

A coceira vaginal também é um sinal comum de Infecções Sexualmente Transmissíveis. A clamídia, por exemplo, costuma causar ardência, coceira e sensação de queimação na vagina, principalmente durante o sexo ou ao urinar. A infecção ainda pode atingir o reto e provocar inflamação na mucosa do reto. A herpes genital, por outro lado, pode ocasionar coceira vaginal e pequenas feridas na área íntima. Em casos mais graves, as lesões evoluem para úlceras. 

 

A tricomoníase, embora costume ser assintomática, pode gerar coceira dentro da vagina. Além disso, a infecção também é capaz de ocasionar mau cheiro na região íntima, corrimento vaginal e ardência ao urinar ou durante a relação sexual. 

 

Como tratar: o tratamento de infecções transmitidas via sexual é feito dependendo do tipo e do agente causador do problema. Na maioria dos casos, o médico receita medicação antibiótica, que podem ser orais ou locais. Para aliviar a coceira e outros sintomas, ainda pode ser indicado algum remédio anti-inflamatório ou anti-alérgico. 

 

 

4. Depilação íntima: procedimento pode facilitar entrada de agentes infecciosos na região íntima 

 

Para as mulheres que não abrem mão da depilação íntima, os cuidados íntimos devem ser redobrados. Isso porque a ausência de pelos deixa a região íntima mais vulnerável a agentes infecciosos, como fungos e bactérias. O hábito ainda deixa a vulva e a entrada da vagina em contato direto com o absorvente e roupas íntimas, o que pode gerar atrito e irritação. Além disso, dependendo do método utilizado para retirar os pelos, o procedimento pode causar alergias e irritações que ocasionam coceira dentro da vagina ou na vulva.  

 

Como tratar: assim como qualquer tipo de coceira na vagina, o ideal é consultar um ginecologista para solucionar o quadro. O médico então pode receitar uma medicação local para aliviar o desconforto ou sugerir a troca do método de depilação. 

 

Para evitar qualquer tipo de reação alérgica, o ideal é não abrir mão dos cuidados pós-depilatórios. Não deixe de higienizar bem a região íntima antes de se depilar e utilizar produtos calmantes logo após o procedimento. Também é importante ficar atenta ao material utilizado. O ideal é que ele seja descartável e de uso pessoal. 

 

 

5. Baixa lubrificação vaginal: coceira na vagina pode surgir após relação sexual 

 

Algumas mulheres costumam sentir um pouco de coceira ou até mesmo uma irritação após o sexo. Segundo o Dr. Rogério, o problema pode estar associado a baixa lubrificação vaginal, que causa uma espécie de atrofia local que aumenta o atrito do pênis no canal vaginal durante a penetração. “Principalmente se for uma relação mais intensa”, diz o médico. 

 

A lubrificação vaginal é uma resposta natural da vagina à excitação sexual. Quando ela não é produzida de forma adequada, a mulher passa a ter um quadro de secura ou baixa lubrificação, causando dor e irritação no canal vaginal durante e após o sexo. O Dr. Rogério explica que essa alteração costuma ser mais frequente na menopausa, devido à diminuição dos hormônios que estimulam a lubrificação vaginal. Contudo, a secura também pode acontecer em mulheres jovens por diversas causas, como uso de anticoncepcional oral ou questões emocionais. 

 

Como tratar: para reduzir a secura vaginal, a recomendação é procurar um ginecologista e relatar o problema. São receitados cremes vaginais para ajudar na hidratação da região. “Deve-se também caprichar nas preliminares e só realizar penetração quando estiver lubrificada. Se necessário, pode usar lubrificantes”, finaliza o especialista.

 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:

Dr. Rogério Leão - Ginecologista e Obstetra do IPGO (Inst. Paulista de Ginecologia e Obstetrícia) e Médico Assistente na área de Ginecologia do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM/ UNICAMP)

CRM: 104.152

 

semprelivre_bottom1_dance_new

  • SE CUIDA!
    Lavar a calcinha no box é ruim? Confira dicas para cuidar de suas roupas íntimas!
    Você costuma lavar a calcinha no box e nem sabe se isso faz mal? Então é bom ficar de o..
  • SE CUIDA!
    Conheça 6 hábitos que podem causar corrimento vaginal e você nem sabia
    Você sabe o que causa corrimento vaginal? Alguns costumes da nossa rotina podem ser os pr..
  • SE CUIDA!
    Marcou consulta com o ginecologista? Listamos 6 coisas que você deve saber antes de ir!
    Uma coisa é certa: ir ao ginecologista pelo menos duas vezes ao ano é fundamental para a..
  • SE CUIDA!
    Você sabe qual é a diferença entre CAREFREE® TodoDia Flexi e CAREFREE® Proteção? Descubra e use os produtos da forma certa!
    Atualmente é comum passarmos o dia todo fora, mas do trabalho até a volta para casa muit..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Quiz
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação? Teste seus conhecimentos
    A ovulação e o período fértil são duas fases do ciclo menstrual em que a mulher tem mais...
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação?  Teste seus conhecimentos
  • Menstruação
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
    Na maioria das vezes, a menstruação preta é normal e não representa problemas de saúde....
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
  • Menstruação
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
    Muitas mulheres ficam em dúvida sobre quantos dias depois de acabar o anticoncepcional...
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
  • SE CUIDA!
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
    A primeira consulta com o ginecologista é um momento muito importante para esclarecer...
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
  • VER TODAS >