Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Candidíase vaginal: o que causa, sintomas e como tratar

Candidíase vaginal: o que causa, sintomas e como tratar

A candidíase vaginal é uma infecção fúngica muito comum entre as mulheres, causada por um desequilíbrio na flora vaginal que leva ao surgimento de coceira e corrimento branco e pastoso. A infecção pode surgir quando há maior proliferação dos fungos Candida albicans presentes na microbiota vaginal. O desbalanço pode ser ocasionado por diversos fatores como baixa imunidade, higiene inadequada, alguns medicamentos, entre outros.

 

Conversamos com a ginecologista Bárbara Murayama para saber mais sobre a candidíase vaginal, sintomas, como tratar e boas práticas para evitar a candidíase recorrente.  

 

O que causa candidíase?

 

A candidíase é causada pelo aumento da população do fungo Candida albicans na flora vaginal. Os microrganismos que já habitavam a vagina naturalmente em quantidade menor, se multiplicam quando há um desbalanço na acidez da vagina e enfraquecem os lactobacilos, bactérias que atuam como uma barreira proteção natural da região íntima. 

 

As principais causas de candidíase são baixa imunidade e higiene inadequada. Contudo, outros fatores também podem desencadear a infecção vaginal: 

 

  • Manter a região íntima úmida e abafada por muito tempo

  • Vestir roupa íntima apertada e de material sintético 

  • Consumo exagerado de doces e carboidratos

  • Diabetes

  • Gravidez

  • Ter relações sexuais sem camisinha

  • Uso prolongado de antibióticos

  • Ficar mais de 8 horas com o mesmo absorvente 

  • Uso de duchas vaginais para a higiene íntima

  • Fazer a higiene íntima com sabonetes corporais 

  • Uso de produtos perfumados para lavar calcinhas

  • Uso de biquíni ou maiô molhado por muitas horas

 

Todos os fatores citados acima alteram os níveis de acidez do pH vaginal, prejudicando a ação protetora dos lactobacilos. Como efeito, eles não seguem controla a proliferação de bactérias e fungos nocivos para a região íntima, desencadeando um quadro infeccioso. 

 

Sintomas de candidíase: corrimento branco pastoso e coceira vaginal são os principais 

 

  • O sintoma mais característico da candidíase é o corrimento branco espesso com com consistência granulada, semelhante ao leite coalhado.

  • Em alguns casos, a secreção pode apresentar mau cheiro. 

  • Outro sintoma frequente é a coceira vaginal. 

  • Alguns quadros da infecção ainda causam vermelhidão na vulva, ardor ao urinar e dor durante a relação sexual. 

  • Devido a coceira intensa, algumas mulheres podem desenvolver uma irritação local, levando ao surgimento pequenas lesões na mucosa da vulva. 

 

Tratamento para candidíase é feito com uso de medicação antifúngica oral ou tópica

 

  • A candidíase tem cura e seu tratamento costuma ter resultado rápido. Uma vez que é confirmado o diagnóstico da infecção vaginal através do exame preventivo ou papanicolau, o(a) ginecologista indicará o uso de medicação antifúngica, que podem ser de uso oral ou vaginal, dependendo do quadro clínico da paciente. “ A medicação oral age de forma sistêmica e o creme vaginal age localmente. Com frequência utilizamos a associação deles”, explica a médica.  
     

  • O tratamento costuma durar cerca de sete dias e, durante esse período, é fundamental evitar relações sexuais com penetração. 
     

  • Outra recomendação é evitar consumir bebidas alcoólicas durante o tratamento. Quando há uma irritação local mais acentuada, o médico também pode indicar outros remédios, como corticóides. 
     

  • Os remédios mais prescritos no tratamento da candidíase são o Fluconazol  em cápsula e os cremes vaginais Clotrimazole, Miconazol  e Butoconazol.  “Anti-alérgicos também podem ser usados para aliviar inicialmente o processo de coceira e inflamação. Mas precisamos buscar a causa do desequilíbrio. Avaliar a saúde da paciente como um todo” cita a dra. Bárbara. 
     

Uma vez que o tratamento é finalizado e os sintomas desapareceram  a mulher já pode se considerar curada. Mas isso não significa que ela está isenta de apresentar a infecção novamente. A candidíase é um dos quadros infecciosos mais frequentes, pois diversos fatores do dia a dia estimulam a proliferação dos fungos na flora vaginal. Por isso, a importância de manter sempre uma rotina de cuidados íntimos. 

 

Tratamentos caseiros para candidíase funcionam?

 

De acordo com a ginecologista, o tratamento da candidíase deve ser feito somente com orientação médica. Sendo assim, ela não recomenda nenhum tipo de tratamento caseiro, exceto se este for indicado por um profissional. “A recomendação é não realizar uso de nenhum produto sem receita médica e buscar consulta ginecológica, pois nem toda coceira e corrimento é candidíase”, explica. 
 

No caso das receitas de banho de assento para tratamento caseiro da candidíase, muito populares na internet, a médica ressalta que eles só devem ser feitos com o aval de um ginecologista. Segundo a profissional, alguns médicos chegam a prescrever o método, mas é preciso ter muito cuidado com os ingredientes escolhidos para a prática, pois, em algumas situações, eles podem agravar o quadro da infecção. “Os fungos que causam a candidíase gostam de um ambiente quente, úmido e mais ácido. Banhos de assento que aumentam a acidez podem piorar a situação”, sinaliza. 

 

Confira alguns hábitos que auxiliam na prevenção da candidíase  

 

  • Usar roupas mais frescas, como saias e vestidos, que permitem maior ventilação na área íntima e evitam o abafamento; 

  • Usar camisinha em todas as relações sexuais; 

  • Não ficar biquínis ou maiôs molhados por muito tempo;

  • Respeitar o tempo máximo de 8 horas com o absorvente;

  • Manter uma alimentação equilibrada e reduzir o consumo de alimentos com alto teor glicêmico. Eles modificam o pH vaginal, deixando a região íntima mais vulnerável;

  • Não compartilhar peças de uso íntimo;

  • Não fazer uso de duchas vaginais

  • Usar apenas água e sabonete íntimo líquido com pH neutro para fazer a higiene;

  • Concentre a higiene íntima apenas na região externa (vulva, grandes e pequenos lábios e ânus); 

  • Vá ao ginecologista regularmente. 
     

Dessa forma é possível prevenir não apenas a candidíase, mas outras infecções vaginais causadas por desequilíbrios na microbiota. 

 

Candidíase recorrente sinaliza baixa imunidade 

 

A candidíase é considerada um problema recorrente quando surge pelo menos três vezes ao ano. Neste casos, deve-se investigar se a infecção é um indício de alguma deficiência imunológica. A baixa imunidade prejudica os mecanismos de defesa do organismo, deixando uma pessoa mais suscetível a infecções. A Dra. Bárbara aproveita para citar outras possíveis causas para se ter candidíase com frequência. “Os fatores de risco que aumentam as chances são ter diabetes  e estar com as taxas de açúcar descompensadas”. 
 

Para evitar quadros de candidíase de repetição, o ideal é investir em uma alimentação regrada com nutrientes e vitaminas. Outro ponto importante é não abrir mão da hidratação. O consumo de probióticos (bactérias benéficas) também costuma ser eficaz em pacientes que apresentam os sintomas da infecção repetidamente.

 

Candidíase na gravidez é perigoso?

 

A gravidez é um período em que a mulher está mais vulnerável à infecções provocadas por desequilíbrio na flora vaginal. De acordo com a dra. Bárbara Murayama, as gestantes são mais propensas à candidíase devido ao aumento das taxas hormonais e a queda de imunidade natural. “Essas condições propiciam um ambiente favorável a proliferação desse fungo”, comenta. 

 

A candidíase não gera complicações. No entanto, no caso das gestantes, é preciso ficar em alerta. “Como qualquer infecção na gestação, há o risco de trabalho de parto prematuro e ruptura prematura da bolsa. Além do desconforto que pode causar para a gestante”, diz a médica. Além disso, caso o bebê nasça de parto normal e a mãe esteja com candidíase, existe uma possibilidade que ele apresente os sintomas da infecção nos seus primeiros dias de vida. 

 

O tratamento da candidíase para mulheres grávidas é semelhante ao tradicional, com uso de medicação oral ou cremes vaginais. 

 

Candidíase no homem passa para a mulher durante a relação sexual?

 

A candidíase não é considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível. No entanto, a ginecologista diz que existe a possibilidade de uma pessoa desenvolver o problema a partir da prática de sexo sem preservativo, já que facilita o acesso de inúmeros microorganismos nocivos na região íntimas que podem provocar desequilíbrios na flora vaginal. Sendo assim, a candidíase no homem pode passar para a mulher. 

 

Já os homens também correm o risco de contrair a infecção caso tenham relação com uma mulher com candidíase. “Alguns parceiros quando tem relação com uma mulher com candidíase podem sentir sintomas de candidíase como vermelhidão inchaço e coceira no pênis e devem então ser avaliados e tratados também”, finaliza. 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Bárbara Murayama - Ginecologista 
CRM: 112527 

semprelivre_bottom1_dance_new

  • Menstruação
    Posso ir à praia ou piscina menstruada? Saiba como curtir o verão sem neuras!
    Foi para um lugar de praia e ficou menstruada no meio da viagem? Não tem problema! Com a ..
  • Menstruação
    Veja 6 situações do dia a dia que quem sente muita cólica vai se identificar
    “Oi, sumida?!”. Todo mês as cólicas surgem de surpresa, como a mensagem daquele cari..
  • Menstruação
    Qual a diferença entre cobertura suave e seca? Saiba como escolher a ideal para você!
    Quem já se perguntou alguma vez por que existem taaaantas opções de absorventes diferen..
  • Menstruação
    Frescura? Sério? Pensamentos que passam pela sua cabeça quando alguém reclama da sua TPM
    Apesar da tensão pré-menstrual ser um momento só seu, todo mundo adora dar pitacos, né..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Saúde da mulher
    SOP: sintomas e tratamentos da síndrome que atinge as mulheres
    A Síndrome do Ovário Policístico é uma disfunção hormonal que leva ao crescimento de...
    SOP: sintomas e tratamentos da síndrome que atinge as mulheres
  • SE CUIDA!
    5 tipos de depilação feminina: prós e contras de cada método
    A depilação íntima faz parte da vida de muitas mulheres. Para isso, é possível encontrar...
    5 tipos de depilação feminina: prós e contras de cada método
  • SE CUIDA!
    Corrimento ou lubrificação feminina? Saiba diferenciar as secreções vaginais
    Muitas pessoas ficam em dúvida sobre qual a diferença entre corrimento e secreção vaginal...
    Corrimento ou lubrificação feminina? Saiba diferenciar as secreções vaginais
  • SE CUIDA!
    Tabelinha: por que o método é falho e outras opções de anticoncepcionais com mais eficácia
    A tabelinha é um método contraceptivo natural baseado na análise do ciclo menstrual....
    Tabelinha: por que o método é falho e outras opções de anticoncepcionais com mais eficácia
  • VER TODAS >