Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Candidiase recorrente: como tratar?

Candidiase recorrente: como tratar?

A candidíase vaginal é uma infecção íntima provocada pela proliferação excessiva de fungos da espécie Candida sp., que já estão naturalmente presentes no organismo de homens e mulheres. Quando a mulher apresenta mais de quatro episódios de candidíase em um ano, a condição recebe o nome de candidíase recorrente (ou candidíase crônica). O tratamento para candidíase recorrente consiste no uso prolongado de medicamentos antifúngicos e, principalmente, na adoção de hábitos saudáveis (incluindo alimentação adequada e higiene íntima correta).

 

Veja também: Candidíase vaginal recorrente: saiba como se proteger de infecções vaginais

 

O Só Delas conversou com a ginecologista Paula Bortolai Martins Araujo para esclarecer alguns pontos sobre a candidíase crônica: o que é, quais são os sintomas, o que pode causar candidíase de repetição e, principalmente, como tratar. Veja a seguir!

 

O que é candidíase recorrente? 

 

Como explicamos acima, a candidíase é desencadeada pelo crescimento excessivo de fungos da espécie Candida sp. (mais comumente o Candida albicans), que já habita normalmente o organismo em menores quantidades. De acordo com a ginecologista, a candidíase “é considerada recorrente quando a mulher apresenta mais de quatro episódios de infecção ao ano”.

  

Veja também: O que é candidíase e como evitá-la: aprenda os cuidados fundamentais com sua vagina

 

Geralmente, a candidíase se torna crônica quando sua origem não é devidamente identificada e tratada. Mulheres com o sistema imunológico enfraquecido estão ainda mais suscetíveis a sofrer com a proliferação de microrganismos na região íntima e desenvolver a candidíase várias vezes ao ano. No entanto, é importante ressaltar que a imunidade baixa não é a única causa da infecção. 

 

“A candidíase trata-se de uma doença multifatorial que pode estar relacionado a alterações da microbiota vaginal (que são os microrganismos protetores da flora vaginal), alterações da imunidade (por condições como diabetes, uso de corticóides, drogas imunossupressoras, antibióticos), uso de DIU, genética e hábitos de higiene íntima”, explica a médica. 

 

Sintomas de candidíase recorrente incluem os mesmos incômodos do primeiro episódio da infecção  

 

Quando o assunto é candidíase, sintomas como corrimento vaginal esbranquiçado e coceira na vulva são as manifestações mais conhecidas. O mesmo se aplica à candidíase recorrente, que também costuma provocar estes incômodos. Além disso, a mulher ainda pode apresentar irritação vaginal, vermelhidão na região íntima, ardência ao urinar e desconforto ao praticar relação sexual. 

 

Veja também: Sintomas da candidíase: aprenda a identificar a infecção vaginal

 

Ao notar quaisquer alterações do tipo, procure um(a) ginecologista para dar início ao tratamento adequado o quanto antes. 

 

Como tratar candidíase recorrente: uso de antifúngicos e mudança de hábitos são essenciais

 

Para tratar a candidíase recorrente, é preciso cortar o mal pela raíz, ou seja, identificar e corrigir a origem do problema. Tratamentos superficiais podem eliminar os incômodos da infecção, porém, se a causa não for resolvida, é bem provável que os episódios de candidíase voltem a acontecer. Por isso, evite se autodiagnosticar e/ou automedicar e procure a avaliação de um(a) especialista. 

 

Segundo a ginecologista, a adoção de hábitos saudáveis é a parte mais importante no combate à candidíase crônica. “Por exemplo, fazer a higiene de roupas íntimas, usar tecidos de algodão para evitar a transpiração [e manter a região íntima arejada], ter uma alimentação adequada e praticar atividade física. Tudo isso é essencial”, orienta a doutora Paula Bortolai Martins Araujo. 

 

Fora isso, na consulta ginecológica, o(a) médico(a) responsável deverá prescrever o uso de medicamentos específicos. “O tratamento [para candidíase recorrente] é realizado com antifúngicos por um período mais prolongado e, sempre que possível, deve ser realizada uma cultura vaginal para avaliar qual é o tipo de Candida e qual é a medicação mais adequada. A Candida albicans é o mais comum, mas existem outras espécies que podem ser resistentes aos antifúngicos mais comuns”, recomenda. 

 

Somado à mudança de hábitos e ao uso de medicamentos antifúngicos (via oral ou vaginal), outras medidas também podem ajudar bastante no tratamento da candidíase recorrente, que, segundo a profissional, costuma durar aproximadamente 6 semanas. “Lactobacilos podem ser indicados para melhorar o pH e a flora vaginais, assim como o uso de ácido bórico”, acrescenta a ginecologista. 

 

Candidíase de repetição: o ideal é evitar ter relações sexuais durante os episódios da infecção

 

Segundo a ginecologista, “enquanto a paciente estiver sintomática, não é recomendado ter relação sexual”. Até porque, a relação pode causar ardor e fissuras na região íntima e acabar piorando o quadro. “Pode, inclusive, causar uma uma infecção secundária por outros agentes. Mas, terminando os sintomas, não tem problema ter relação, pois a candidíase não se trata de uma DST”, esclarece a médica.

 

Candidíase crônica na gravidez: alterações hormonais da gestação favorecem a recorrência da infecção vaginal

 

Durante a gestação, o corpo da mulher sofre diversas alterações capazes de enfraquecer o sistema imunológico e/ou desequilibrar o pH da vagina, o que favorece bastante o desenvolvimento da candidíase. 

 

Por isso, ao identificar os sintomas da infecção vaginal, não hesite em procurar ajuda médica, principalmente na gravidez. É imprescindível dar início ao tratamento o mais cedo possível para evitar a transmissão da candidíase para o bebê durante o parto. 

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Paula Bortolai Martins Araujo, Ginecologista-obstetra do IPGO – Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia

CRM: 127.101

SL_Arroba_turbante_Semprejunta

Symantic Display

  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Candidíase vaginal recorrente: saiba como se proteger de infecções vaginais
    Candidíase vaginal recorrente: saiba como se proteger de infecções vaginais
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Pólipo no útero: como identificar e tratar?
    Pólipo no útero: como identificar e tratar?
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    O que pode ser a ardência na vagina e como tratar?
    O que pode ser a ardência na vagina e como tratar?
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Tratamento para candidíase: saiba como a alimentação pode te ajudar
    Tratamento para candidíase: saiba como a alimentação pode te ajudar
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Se proteger da candidíase pode ser mais simples do que você imagina. Saiba como!
    Se proteger da candidíase pode ser mais simples do que você imagina. Saiba como!
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Candidíase é mais comum no verão. Saiba como se prevenir e manter a saúde íntima em dia
    Candidíase é mais comum no verão. Saiba como se prevenir e manter a saúde íntima em dia
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    O que é a candidíase e como evitá-la: aprenda os cuidados fundamentais com sua vagina
    O que é a candidíase e como evitá-la: aprenda os cuidados fundamentais com sua vagina
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Sangramento marrom: o que pode ser e como tratar?
    Sangramento marrom: o que pode ser e como tratar?
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Mau cheiro na virilha e região íntima da mulher o que pode ser e como tratar?
    Mau cheiro na virilha e região íntima da mulher o que pode ser e como tratar?
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • SE CUIDA!
    SE CUIDA!
    Candidíase de repetição: como evitar que isso aconteça
    Candidíase de repetição: como evitar que isso aconteça
    icon term
    icon pink
    icon green
    icon blue
  • semprelivre_bottom1_dance_new

  • SEGREDINHOS DE MULHER
    Cravos no nariz: saiba como os pontinhos pretos aparecem na sua pele e como se livrar deles
    Sabe aqueles pontinhos escuros que vez ou outra surgem na nossa pele? Eles são chamados d..
  • SEGREDINHOS DE MULHER
    Aprenda 5 truques de maquiagem que vão levantar sua autoestima!
    Sabe aqueles dias que você não acorda muito satisfeita com o espelho? Ou quando você es..
  • SEGREDINHOS DE MULHER
    Confira 4 dicas para ter unhas fortes e saudáveis!
    Ter unhas bonitas não é uma tarefa tão simples como parece, né? Mas com cuidado a gent..
  • SEGREDINHOS DE MULHER
    Vai sair com um boy novo? Veja 8 dicas para um encontro perfeito!
    Pode ser aquela pessoa que pega o mesmo transporte que você todos os dias ou o garoto da ..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Menstruação
    Sempre Livre com cobertura suave ou seca, qual devo escolher?
    O absorvente externo SEMPRE LIVRE® é um verdadeiro companheiro das mulheres durante a...
    Sempre Livre com cobertura suave ou seca, qual devo escolher?
  • SE CUIDA!
    Carefree TodoDia Flexi: conheça o protetor diário que se ajusta a todos os tipos de calcinha
    CAREFREE® TodoDia Flexi é um protetor diário respirável fino, flexível e com formato que...
    Carefree TodoDia Flexi: conheça o protetor diário que se ajusta a todos os tipos de calcinha
  • Menstruação
    Menstruação com mau cheiro forte: o que pode ser?
    Ao notar a menstruação com mau cheiro, o ideal é buscar uma avaliação médica para...
    Menstruação com mau cheiro forte: o que pode ser?
  • Saúde da mulher
    Ginecologista responde 3 dúvidas frequentes sobre escape menstrual
    O escape menstrual, também conhecido como spotting, é caracterizado por um pequeno...
    Ginecologista responde 3 dúvidas frequentes sobre escape menstrual
  • VER TODAS >