Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

7 tipos de IST que toda mulher precisa ter conhecimento para se prevenir

7 tipos de IST que toda mulher precisa ter conhecimento para se prevenir

As ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis) são um conjunto de infecções transmitidas, principalmente por via sexual, seja ela oral, vaginal ou anal. Elas se manifestam de diferentes maneiras no organismo e podem causar um quadro infeccioso curável de grau leve a moderado ou complicações mais graves.

 

Além do contato sexual, o contágio de algumas ISTs também pode ser feito por meio da transfusão de sangue, contato de mucosas e secreções corporais ou via vertical, ou seja, quando a mãe passa para criança durante a gestação, parto ou amamentação.

 

As ISTs possuem opções de tratamento, inclusive as incuráveis. Dessa forma, é possível controlar os efeitos colaterais no organismo e permitir que uma pessoa infectada tenha uma vida sem complicações decorrentes da doença. Saiba mais sobre 5 tipos de  IST e qual a melhor maneira de prevenção. 

 

 

1. Clamídia 

 

A clamídia é a IST de maior prevalência no mundo e atinge homens e mulheres. Ela acomete os órgãos genitais, a uretra, o ânus e, em alguns casos, a faringe. É causada pela bactéria Chlamydia trachomatis e começa com uma evolução silenciosa e assintomática nos primeiros estágios. Quando atinge um nível mais elevado, a infecção passa a manifestar sintomas como corrimento amarelo, aumento na frequência de micções, dor ao urinar e durante a relação sexual. Algumas mulheres também podem apresentar sangramentos nos intervalos entre uma menstruação e outra e dor no baixo ventre.

 

O tratamento da clamídia é feito com antibióticos como azitromicina ou doxiciclina, sempre sob orientação médica. Quando não tratada, a infecção corre o risco de evoluir para um quadro de doença inflamatória pélvica (DIP) e até mesmo causar infertilidade.

 

 

 2. Gonorreia 

 

A gonorreia é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae e atinge, principalmente, a uretra, canal que liga a bexiga ao meio externo. A infecção também atinge outros órgãos do corpo, como colo do útero, reto, garganta e córnea.

 

A gonorreia se manifesta a partir de sintomas como dor e ardor ao urinar (causados pela inflamação no canal da uretra) e corrimento amarelo-esverdeado com presença de pus. Quando a infecção ocorre na garganta, ela provoca dor e alterações da fala. Essa infecção tem cura e seu tratamento é feito com antibióticos, como a azitromicina, ou injeção de ceftriaxona. 

 

 

3. Sífilis 

 

A sífilis é uma IST curável, porém muito séria devido aos danos que pode causar no organismo. Ela se manifesta após a infecção pela bactéria Treponema pallidum e demora cerca de 40 dias até apresentar os primeiros sintomas. 

 

A sífilis possui três estágios diferentes: sífilis primária, secundária e terciária. A primeira consiste no aparecimento de pequenas feridas nos órgãos genitais. Já no segundo estágio começam a surgir manchas vermelhas na pele e nas mucosas do corpo, junto com febre, dor de cabeça e mal-estar. A sífilis terciária, último quadro e mais elevado, ocorre quando a bactéria atinge o sistema nervoso central e pode ocasionar dermatites, inflamação nos ossos, doenças psiquiátricas, convulsões, paralisia, alterações neurológicas e insuficiência cardiovascular.  

 

O tratamento da sífilis é feito com uso de penicilina injetável de dose única. O antibiótico combate a ação da bactéria no corpo e impede seu progresso, ajudando também na redução dos sintomas. Nos casos mais severos, pode ser necessário uma segunda ou até terceira dose.  

 

 

4. Herpes genital

 

A herpes genital é causada pelo vírus do herpes simples (HSV) e não tem cura. Ela é conhecida por provocar lesões na pele, nas mucosa dos órgãos genitais e na boca, que costumam regredir e cicatrizar sozinhas. No entanto, uma vez infectada, a pessoa permanece com o vírus no organismo para sempre.

 

As crises de herpes são desencadeadas por fatores como alterações hormonais, estresse, quadros de ansiedade, reação ao uso de alguma medicação, febre e outros tipos de infecções. 

 

O tratamento da herpes genital é feito com uso de medicamentos que impedem a replicação do vírus, deixando-o inativo. O objetivo é reduzir os períodos de crise. Além da relação sexual, a infecção pode ser transmitida pelo simples toque nas lesões, pois elas carregam grande quantidade de vírus. Por isso, é importante evitar tocar nas erupções ou fluidos e, caso seja inevitável,deve-se lavar as mãos imediatamente com água e sabão.

 

 

5. Tricomoníase 

 

A tricomoníase é uma infecção vaginal causada pelo protozoário Trichomonas Vaginalis. Ela pode ser assintomática ou provocar sintomas como corrimento amarelo-esverdeado, coceira vaginal, ardor ao urinar e durante as relações sexuais. Quando não tratada, ela pode evoluir para uma uretrite (infecção na uretra), vaginite (inflamação na vagina) ou vulvovaginite.  Outra característica é que a tricomoníase torna a pessoa infectada mais vulnerável a contrair outras ISTs. 

 

A tricomoníase é tratada com medicação antibiótica, entre elas, metronidazol ou tinidazol. 

 

 

6. AIDS/ HIV 

 

A AIDS, sigla para Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, é uma doença que compromete o sistema imunológico. Ela é causada pelo vírus HIV e transmitida por meio do contato com o sêmen, sangue, leite materno e secreção vaginal da pessoa infectada. Após a contaminação pelo vírus, estima-se que a AIDS pode demorar até 10 anos para se manifestar. Por isso, é importante reforçar que nem todos os infectados pelo vírus HIV possuem a doença. 

 

Os primeiros sintomas de AIDS são fraqueza, febre, diarréia, dor no corpo e mal-estar. Como atinge a imunidade, com o tempo, ela torna o paciente mais vulnerável a quadros de gripe, resfriado, pneumonia e tuberculose, as chamadas doenças oportunistas. 

 

Embora não tenha cura, hoje em dia, é possível conviver com a AIDS sem grandes complicações caso haja um acompanhamento médico e uso de medicação adequada. Os remédios não eliminam o vírus HIV do organismo, mas desempenham uma ação anti-retroviral, que impede a multiplicação do vírus e ameniza os seus efeitos no sistema imunológico. O tratamento para AIDS e de todos os tipos de ISTs são oferecidos pelo SUS gratuitamente. 

 

7. HPV  

 

HPV é uma doença transmitida pelo Vírus do Papiloma Humano, principal precursora do câncer de colo de útero e de tumores malignos na boca e garganta. A infecção pode ser assontomática ou provocar lesões e verrugas na região genital anal e colo do útero, além de coceira e irritação. Em alguns casos, o HPV é eliminado espontaneamente pelo sistema imunológico. No entanto, na maioria das vezes, ele é incurável e a pessoa passa a viver com o vírus pelo resto da vida, o que pode ocasionar períodos de crise e remissão. 

 

O tratamento do HPV é feito com o objetivo de controlar as crises. Já a vacina, consiste apenas em uma forma de prevenção aos tipos de vírus relacionados ao surgimento de verrugas e os associados ao maior risco de provocar câncer. Contudo, há mais de cem tipos diferentes de HPV. 

 

 

Uso da camisinha é a principal forma de prevenção das ISTs

 

A camisinha é o método mais eficaz de prevenção de ISTs e outras doenças que possam acometer a região íntima. Por isso, é fundamental não abrir mão do preservativo em todas as relações sexuais, seja  anal, vaginal ou oral. Isso porque a penetração não é a única forma de contágio e transmissão, pois fluidos corporais como sangue, sêmen e secreções também são vetores de microorganismos causadores das infecções. 

 

Outro cuidado importante é não compartilhar seringas e agulhas e ficar sempre de olho quando for sangue ou fazer uma tatuagem. Certifique-se que as ferramentas utilizadas são descartáveis e esterilizadas. Como precaução, também vale a pena evitar compartilhar objetos pessoais como alicate, tesouras e lâminas. Roupas íntimas, toalhas e assento sanitário não transmitem ISTs, mas a recomendação é sempre utilizar peças que pertençam somente a você. 

 

Além da prevenção, é fundamental que a mulher esteja sempre em dia com os seus exames ginecológicos. Um deles é o preventivo, capaz de detectar sinais de infecção viral precocemente, o que facilita o tratamento.  

 

semprelivre_bottom1_dance_new

  • SE CUIDA!
    Lavar a calcinha no box é ruim? Confira dicas para cuidar de suas roupas íntimas!
    Você costuma lavar a calcinha no box e nem sabe se isso faz mal? Então é bom ficar de o..
  • SE CUIDA!
    Conheça 6 hábitos que podem causar corrimento vaginal e você nem sabia
    Você sabe o que causa corrimento vaginal? Alguns costumes da nossa rotina podem ser os pr..
  • SE CUIDA!
    Marcou consulta com o ginecologista? Listamos 6 coisas que você deve saber antes de ir!
    Uma coisa é certa: ir ao ginecologista pelo menos duas vezes ao ano é fundamental para a..
  • SE CUIDA!
    Você sabe qual é a diferença entre CAREFREE® TodoDia Flexi e CAREFREE® Proteção? Descubra e use os produtos da forma certa!
    Atualmente é comum passarmos o dia todo fora, mas do trabalho até a volta para casa muit..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • SE CUIDA!
    Assadura na virilha? Veja como prevenir e tratar o incômodo
    A assadura na virilha feminina pode coçar, arder, causar feridas na pele da região e...
    Assadura na virilha? Veja como prevenir e tratar o incômodo
  • SE CUIDA!
    A pílula do dia seguinte funciona no período fértil?
    A pílula do dia seguinte é um método de emergência que só deve ser utilizado em casos...
    A pílula do dia seguinte funciona no período fértil?
  • Menstruação
    Período fertil: sintomas emocionais podem estar associados à ovulação
    Você sabia que, assim como a TPM (Tensão Pré-Menstrual), o período fértil também provoca...
    Período fertil: sintomas emocionais podem estar associados à ovulação
  • SE CUIDA!
    O que pode causar escape menstrual?
    É normal ter escape menstrual em circunstâncias específicas, como quando a mulher é...
    O que pode causar escape menstrual?
  • VER TODAS >