Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

6 mitos sobre miomas uterinos

6 mitos sobre miomas uterinos

Você sabe o que é mioma uterino? O termo é usado para definir um nódulo sólido localizado no músculo do útero (“mio” significa músculo e “oma” significa tumor). Os miomas são benignos e seu crescimento se dá através de estímulos hormonais, em especial, do hormônio feminino estrogênio. Dependendo de sua localização no útero, o mioma pode ser classificado em três tipos diferentes: mioma subseroso (presente na parte externa do órgão), mioma intramural (fica na camada média do músculo uterino) e mioma submucoso (próximo ao endométrio, é o mais perigoso de todos). Embora seja bastante comum nos consultórios ginecológicos, o mioma no útero ainda gera muitas dúvidas entre as mulheres. Tendo isso em vista, o Só Delas reuniu 6 mitos sobre o tema nos quais você não deve acreditar. Confira!

 

Veja também: Miomas uterinos: causas, sintomas e tratamentos

 

1. Todas as mulheres têm as mesmas chances de desenvolver um mioma uterino - MITO

 

O mioma uterino é estimulado por hormônios femininos e, por isso, pode acontecer com qualquer mulher em idade reprodutiva, ou seja, aquelas que já menstruaram e ainda não passaram pela menopausa. 

 

No entanto, é sabido que o mioma no útero é mais frequente na faixa etária de 35 a 45 anos e, além disso, existem alguns grupos com maior predisposição ao transtorno. Entre as mulheres com mais chances de desenvolver miomas uterinos, estão as mulheres negras (por razões genéticas), mulheres com obesidade (pois a gordura aumenta a produção hormonal), pacientes com histórico da doença na família e mulheres com mais de 35 anos que nunca engravidaram. 

 

2. Quem tem mioma não pode engravidar - MITO

 

Quem tem mioma pode engravidar, sim! A presença de miomas uterinos não influencia em nada a fertilidade e/ou capacidade de engravidar da mulher. A única exceção a essa regra é o mioma submucoso, que cresce para dentro do útero (próximo ao endométrio) e pode acabar bloqueando a passagem do espermatozóide, impedindo, consequentemente, a gestação. 

 

Nestes casos, a mulher também pode sofrer hemorragias e alterações no fluxo menstrual (lembrando que é o endométrio que, todos os meses, passa por um processo de descamação e dá origem à menstruação). A boa notícia é que este tipo de mioma uterino pode ser identificado durante exames simples, como a ultrassonografia, e também conta com tratamentos disponíveis. 

 

3. Mulheres com mioma uterino precisam retirar o útero - MITO

 

A histerectomia (cirurgia para a retirada do útero) não é a única forma de tratar o mioma uterino. O melhor tratamento para o quadro deve ser definido por um(a) ginecologista e depende de uma série de fatores, como tipo e nível de gravidade do tumor, idade da mulher, desejo de engravidar, presença e intensidade dos sintomas, entre outros. 

 

Quando os miomas são pequenos e descobertos logo no início, é possível regredir o seu crescimento com o uso de medicamentos hormonais que bloqueiam a ação do estrogênio no organismo feminino (como a pílula anticoncepcional) ou até mesmo a administração de injeções que simulam a menopausa (diminuindo, desta forma, a ação hormonal sobre as células do nódulo). 

 

Há ainda um tratamento chamado embolização, em que o(a) médico(a) “entope” o vaso responsável por nutrir o mioma e, assim, interrompe sua evolução. Em último caso, pode ser necessário recorrer a procedimentos cirúrgicos como a miomectomia, que remove apenas os miomas, e a histerectomia, que, como dito anteriormente, visa a retirada completa do útero da mulher. 

 

A cirurgia é indicada em situações mais graves, como quando o mioma provoca hemorragias significativas ou passa a comprimir outros órgãos importantes. De qualquer forma, a avaliação individualizada de um(a) especialista é fundamental.  

 

4. Quem tem mioma uterino corre mais riscos de desenvolver câncer de útero - MITO

 

Desconstruir este mito, com certeza, vai tranquilizar muitas mulheres: o mioma uterino é um tumor benigno e não está associado ao desenvolvimento do câncer. As principais complicações ligadas aos miomas são alterações no padrão menstrual (fluxo mais intenso e prolongado), dor ao praticar relação sexual, cólica, aumento no volume do baixo ventre e, se tratando do mioma submucoso, dificuldade para engravidar ou infertilidade. 

 

Ainda assim, em alguns casos, o mioma uterino pode ser assintomático (ou seja, não apresentar nenhum sintoma ou manifestação no organismo da mulher). Por isso, é essencial manter um acompanhamento regular com o(a) ginecologista mesmo que não haja suspeitas de doenças.

 

5. É possível sentir o mioma se mexendo na barriga - MITO

 

O mioma está localizado no útero e não tem mobilidade. Essa lenda de que a mulher consegue sentir o mioma se mexendo na barriga é ultrapassada e, provavelmente, está relacionada ao atraso do diagnóstico do tumor quando a medicina ainda não tinha tantos recursos a seu dispor. 

 

Antigamente, quando o exame ultrassom não era uma possibilidade, a demora para identificar a presença do nódulo no útero fazia com que o mioma não recebesse o devido tratamento e aumentasse muito de tamanho. Nessas circunstâncias, com o mioma uterino bastante aumentado, a mulher poderia sentir o peso da gravidade em algumas posições (como deitada de lado) e, desta forma, acabar confundindo as sensações. 

 

6. O mioma uterino é mais perigoso em mulheres mais velhas - MITO

 

Quanto mais jovem a mulher for, maiores são as chances de crescimento e agravamento do mioma uterino. Lembra que os miomas são sensíveis a estímulos hormonais? Quando aparece em mulheres jovens, o mioma tem muito mais tempo para crescer e se desenvolver até que a menopausa aconteça. 


Já em mulheres acima dos 40 anos, é o contrário: como a paciente já está mais perto da menopausa, a tendência é que a produção de hormônios femininos diminua e, consequentemente, o mioma regrida de tamanho (muitas vezes, sem precisar de tratamento).

semprelivre_bottom1_dance_new

  • Menstruação
    Posso ir à praia ou piscina menstruada? Saiba como curtir o verão sem neuras!
    Foi para um lugar de praia e ficou menstruada no meio da viagem? Não tem problema! Com a ..
  • Menstruação
    Veja 6 situações do dia a dia que quem sente muita cólica vai se identificar
    “Oi, sumida?!”. Todo mês as cólicas surgem de surpresa, como a mensagem daquele cari..
  • Menstruação
    Qual a diferença entre cobertura suave e seca? Saiba como escolher a ideal para você!
    Quem já se perguntou alguma vez por que existem taaaantas opções de absorventes diferen..
  • Menstruação
    Frescura? Sério? Pensamentos que passam pela sua cabeça quando alguém reclama da sua TPM
    Apesar da tensão pré-menstrual ser um momento só seu, todo mundo adora dar pitacos, né..
  • VER TODAS >

    ÚLTIMAS Novidades

  • Quiz
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação? Teste seus conhecimentos
    A ovulação e o período fértil são duas fases do ciclo menstrual em que a mulher tem mais...
    Você sabe qual a diferença do período fértil e ovulação?  Teste seus conhecimentos
  • Menstruação
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
    Na maioria das vezes, a menstruação preta é normal e não representa problemas de saúde....
    Menstruação preta: veja por que a menstruação escurece
  • Menstruação
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
    Muitas mulheres ficam em dúvida sobre quantos dias depois de acabar o anticoncepcional...
    Quantos dias depois de acabar o anticoncepcional desce a menstruação? tire 4 dúvidas sobre anticoncepcional hormonal
  • SE CUIDA!
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
    A primeira consulta com o ginecologista é um momento muito importante para esclarecer...
    Primeira consulta com ginecologista: pode ser online?
  • VER TODAS >