Skip to main content

Header Social Network

SIGA NOSSAS REDES!
Home

Header Right Logoes

INSPIRADO POR:

Menstruação

image_icon_white: 
image_icon_pink: 
image_icon_green: 
image_icon_blue: 

Ciclo menstrual de 21 dias e suas fases. Como calcular?

Como indica o nome, o ciclo menstrual é um processo que ocorre repetidamente e vai se desenvolvendo ao longo de todos os meses. A menarca, nome dado para a primeira menstruação, costuma acontecer por volta dos 12 anos de idade, e dura até que aconteça a menopausa. Apesar de acontecer sempre e durante tanto tempo, muitas vezes não sabemos muito bem como ela funciona. Eles costumam ter em torno de 28 dias, mas isso pode variar para cada mulher. Caso você tenha um ciclo mais curto, não se preocupe, isso não é um problema para fazer o seu cálculo!


 

O ciclo pode ser dividido em dois momentos: antes e após a ovulação

 

Segundo a ginecologista Haydée Castro Neves, o ciclo menstrual pode ser dividido em dois momentos: a fase proliferativa, que ocorre antes da ovulação, e a secretória, que acontece depois dela. Seu início deve ser contado a partir do dia em que a menstruação “desce”.  

 

Descubra quanto tempo dura o seu ciclo menstrual

 

Para calcular o seu ciclo, a primeira coisa que deve ser feita é marcar o dia em que sua menstruação começou. A partir disso, você pode descobrir quanto tempo seu ciclo dura contando até o dia da próxima menstruação. Normalmente o ciclo costuma durar 28 dias, mas isso pode variar. “De uma forma geral considera-se normal que dure entre 21 e 35 dias”, afirma o especialista Vamberto Maia Filho. Se você tem um ciclo de 21 dias, portanto, não precisa se preocupar! No entanto, caso o seu ciclo fuja dessa margem, é ideal conversar com seu ginecologista e investigar a existência de possíveis problemas.

 

Meu ciclo dura 21 dias. Como calcular cada fase?

 

Nos primeiros dias do ciclo acontece a fase folicular, que começa junto com o sangramento da menstruação e dura até um tempo depois que ela acaba. Depois disso, vem a fase ovulatória, que acontece em torno do 14º dia de um ciclo de 28 dias. “Subtraia 14 do número de dias de duração do seu ciclo, esse é o dia em que você ovula”, explica o ginecologista Gustavo de Paula Pereira. No caso do ciclo de 21 dias, portanto, a ovulação ocorre em torno do dia 7. O período fértil é considerado com uma margem maior, correspondendo ao período de cerca de 3 dias antes até 3 dias depois da ovulação.

 

Depois disso, vem a fase lútea, em que há uma grande produção e progesterona e dura em média duas semanas. Essa costuma ser a fase mais constante do ciclo menstrual. Caso você queira uma ajudinha extra para fazer o cálculo, existem alguns sites e aplicativos que podem ajudar nessa tarefa!

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:

Dr. Vamberto Maia Filho - ginecologista especialista em Reprodução Humana da Clínica Mãe, em São Paulo (www.mae.med.br)
CRM: 118.297-SP

Dr. Gustavo de Paula Pereira - Ginecologista
CRM: 119970 - SP

Dra. Haydée Castro Neves - Ginecologista
CRM:  52721328

Ciclo menstrual pode sofrer mudanças por fatores emocionais. Entenda!

Você já ter ouvido de algum médico que o seu psicológico é capaz de influenciar diversas funções do seu corpo. Semana de provas chegando? Aquela dor de cabeça já aparece. Nervosa para um encontro? A barriga já fica abalada. E por aí vai. Não é a toa que suas emoções também conseguem provocar mudanças no seu ciclo menstrual. Já parou para observar? Conversamos com a ginecologista Andréia Gozzi sobre o assunto. Entenda essa relação!

 

O ciclo menstrual pode sofrer mudanças

 

Assim como explica a médica, o ciclo menstrual pode ser influenciado e alterado por diversos fatores. Alguns deles são estresse, emagrecimento acentuado, atividade física em excesso (mulheres atletas), uso de medicações, cistos de ovários, perimenopausa, patologias uterinas e troca de anticoncepcional. Dessa maneira, conhecer o próprio corpo é um essencial.

 

A mulher que entende bem seu ciclo menstrual, logo percebe quando há alguma alteração. “Deve-se pensar se há algum fator novo que possa estar interferindo e tentar corrigi-lo”, orienta a profissional. A recomendação é procurar marcar uma consulta para investigar, caso essas modificações permaneçam depois de dois ciclos.

 

Como os fatores emocionais podem afetar o ciclo menstrual?

 

A rotina está corrida, as tarefas estão acumulando e sua cabeça está a mil. Por conta disso, é comum perceber diversas mudanças no corpo, tudo influenciado pelo seu emocional. “A condição psicológica pode ter um impacto muito grande sobre o organismo”, alerta a Dra. Andréia. Um estresse exacerbado, crise de ansiedade ou quadros de depressão podem ser destacados como exemplos que afetam o ciclo menstrual. “Eles podem afetar a liberação do principal hormônio que regula o ciclo menstrual, o GnRH, acarretando uma desordem hormonal que pode gerar um atraso ou a irregularidade menstrual”, esclarece.

 

Fique de olho no tratamento adequado

 

Segundo a ginecologista, o primeiro passo é a paciente procurar ajuda do profissional para acompanhar o desequilíbrio emocional. Trabalhando nessa área e organizando as emoções, é possível que o ciclo hormonal regularize sozinho, como acontece em muitos casos. “Quando não ocorre, deve procurar o seu ginecologista para uma investigação mais detalhada”, indica a especialista.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Andréia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner

CRM: 153790

De quanto em quanto tempo minha menstruação deve vir?

A primeira menstruação, também chamada de menarca, ocorre por volta dos 10 a 15 anos, devido ao início da produção de hormônios pelos ovários. Depois dessa experiência é muito comum que a frequência do fluxo menstrual fique irregular nos primeiros dois anos, dificultando prever quando virá em cada mês. Mas, com o passar dos anos, é natural que o ciclo regularize e, assim, passe a ser possível calcular quando chegará a próxima menstruação.

 

É preciso entender que a menstruação é o primeiro dia do ciclo menstrual, portanto, ela chegará de acordo com a duração do ciclo de cada mulher. Quando ele é regular, pode-se dizer que dura de 21 a 35 dias, tendo como média 28 dias. Para saber quanto tempo dura o seu é necessário calcular do primeiro dia do fluxo até um dia anterior a menstruação do mês seguinte.  

 

Como posso calcular o meu ciclo e descobrir o dia que ficarei menstruada?

 

Calcular quando será sua próxima menstruação é bem simples! Mas é importante lembrar que este método é confiável para mulheres que possuem o ciclo menstrual regular, ou seja, com sangramentos quase sempre na mesma data, sem atrasos ou antecipações. De acordo com a ginecologista Andréia Gozzi, deve-se contar quantos dias corridos entre o primeiro dia da menstruação de cada ciclo, por pelo menos 6 meses, para saber se o ciclo é regular, e assim se preparar cada mês para saber o dia em que irá menstruar.

 

Como posso saber o dia que minha menstruação irá descer?

 

Para a médica, a resposta para essa pergunta vai depender se a mulher faz uso de anticoncepcional ou não. “Quando se faz uso de anticoncepcional é normal a menstruação vir 3 a 5 dias após a pausa da pílula. Já para as mulheres que não fazem uso de hormônios, depende do ciclo menstrual, que o normal é de 21 a 35 dias, com média de 28 dias”, diz a especialista.

 

Quer uma dica? Comece a observar sua menstruação, anote essas informações em sua agenda e calcule nos próximos meses. Se preferir, hoje em dia também existem aplicativos de celular que ajudam a controlar o ciclo menstrual a partir dos registros que você colocar.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:

Dra. Andréia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner

CRM: 15379

Sintomas da TPM antes da menstruação: saiba quais são e como aliviar

A Tensão Pré-Menstrual é um período de sintomas físicos e psicológicos que ocorrem normalmente dez dias antes do início da menstruação. Ela acontece pela descarga hormonal que o organismo recebe nesta fase do ciclo e está relacionada à fase lútea, ou seja, a que o organismo aumenta a produção do hormônio progesterona. Apesar da TPM ser muito comum, nem todas as mulheres apresentam os famosos sintomas. Algumas, por exemplo, percebem apenas mudanças de humor ou um cansaço a mais nesses dias.


Os diferentes tipos de TPM são classificados pelos sintomas

 

De acordo com o ginecologista Ricardo Diniz, normalmente a TPM ocorre dez dias antes da menstruação, contudo, isso pode variar bastante, assim como a intensidade dos sintomas. Algumas mulheres podem não apresentar nenhum tipo de sintoma ou apenas um ou outro, afinal, são diversas sensações que podem oscilar de acordo com o aumento ou queda de certos hormônios.

 

Existem diferentes tipos de TPM e muitos sintomas para classificar. Segundo o médico, os mais comuns são a cólica menstrual, dor de cabeça, cansaço, mamas doloridas e inchaço. “Algumas pacientes ainda podem apresentar alterações psíquicas que em geral desaparecem ao menstruar”, acrescenta.

 

Quanto à classificação, podemos dizer que a TPM é dividida em cinco tipos. Veja quais são:

 

Tipo A: a queda do estrogênio no período pré-menstrual reduz os níveis de adrenalina e cortisol, que ajudam a liberar o estresse, e isso influencia diretamente nas mudanças de humor.


Tipo C: O ‘C’ vem de craving, em inglês, que significa desejo. Sabe aquela vontade de comer doce e comidas mais pesadas ricas em carboidrato? Nesse grupo também é comum rolar dor cabeça.
 

Tipo D: irritabilidade, pouca concentração e baixa autoestima são alguns dos sintomas psíquicos causados pela baixa produção de serotonina e pela oscilação hormonal na TPM.


Tipo H: retenção de líquidos e o famoso inchaço no abdômen, mãos e pés, além da sensibilidade das mamas são comuns ao tipo H, que tem relação com a hidratação.

 

Tipo O: os sintomas menos comuns são agrupados no tipo O, de outros. Podemos citar a irregularidade intestinal desse período, cólica, aumento da frequência urinária, entre outros.

 

Como é possível aliviar os sintomas da TPM?

 

Os sintomas da TPM podem ser amenizados com atividade física, para a liberação de endorfina e redução do estresse, alimentação com menos gordura e carboidratos, para reduzir as retenções líquidas provocada pelo excesso de sódio nos alimentos industrializados, além de chás para aliviar a cólica e acalmar a ansiedade. Se os sintomas estiverem muito intensos, consulte seu ginecologista para ver possibilidades de medicamentos.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
 

Dr. Ricardo Barbosa Diniz – Coordenador do serviço de Ginecologia e Obstetrícia e Diretor Clínico do Hospital América de Mauá - CRM: 83689

Mitos e verdades que você precisa saber sobre a menstruação

A menstruação é um momento que ocorre na vida da maioria das mulheres todo mês durante muitos anos. Pode ser um pouco complicado nas primeiras vezes, mas depois acaba se tornando parte da nossa rotina. Para lidar com a menstruação da melhor forma possível é importante se informar sobre o assunto, tirando dúvidas com o ginecologista e conversando com as amigas. Ainda existem, no entanto, muitas dúvidas e falsas crenças sobre o tema, que podem trazer grandes riscos para a saúde das mulheres. Confira alguns mitos e verdades que a ginecologista Camila Ramos listou!

 

1) Mulheres que convivem menstruam em dias próximos?
 

Verdade! Existe uma crença de que mulheres que convivem muito podem acabar alinhando seu ciclo menstrual, e por isso ficam menstruadas em dias próximos. Por mais que possa parecer uma ideia estranha, a ginecologista afirmou que sim, a sincronia menstrual pode acontecer, mas ainda não existem muitos estudos conclusivos sobre o assunto. “Apesar de os estudos não concluírem por que acontece, a principal causa apontada são os feromônios”, diz ela.

 

2) Transar menstruada diminui os riscos de contrair DSTs?

 

Mito! Segundo a profissional, na verdade é o contrário, quando se transa menstruada sem camisinha o perigo de contrair uma doença sexualmente transmissível é ainda maior.  “Isso acontece uma vez que o contato com sangue e fluidos corporais aumenta o risco”, explica ela.

 

3) A mulher engorda quando está menstruada?

 

Mais ou menos… Você não vai engordar durante o período menstrual, mas ela pode ficar mais inchada, dando uma falsa impressão de ter engordado. “A mulher quando está no período menstrual pode ter mais retenção líquida e edema”, esclarece a profissional.

 

4) A menstruação pode influenciar no aparecimento de espinhas?
 

Verdade! O ciclo menstrual acontece de acordo com as alterações menstruais que ocorrem no corpo da mulher, e isso pode influenciar no aparecimento de espinhas. “Principalmente no período pré-menstrual, onde ocorre maior produção de hormônios andrógenos, aumentando também a produção das glândulas sebáceas”, explica Camila. Pessoas que já possuem a pele naturalmente mais oleosa têm maior tendência de sentir esse aparecimento de espinhas.

 

5) Posso engravidar estando menstruada?
 

Verdade! Segundo a ginecologista, a chance de que isso aconteça é bem pequena, mas ainda sim é possível. “As chances são muito baixas uma vez que a menstruação é a descamação da parte interna do útero, o endométrio, e é lá que o embrião se implanta”, diz ela. Mas não é garantido que isso não possa acontecer!

 

Este artigo tem a colaboração da especialista:
 

Camila Ramos - ginecologista e obstetra da Policlínica Granato - CRM: 5295691-0

 

Pílula anticoncepcional ajuda a regular ciclos menstruais desregulados?

A pílula anticoncepcional é um dos métodos mais populares. Além de prevenir a gravidez indesejada, o composto é capaz de ajudar no tratamento de algumas doenças, como quadro de Ovário Policístico. Outro uso é para equilibrar os hormônios em algumas pacientes. Mas, a pílula pode ajudar a regular os ciclos desregulados? A ginecologista Dra. Andréia Gozzi tirou essa dúvida e explicou o que acontece nesses casos.


 

Como posso saber se meu ciclo menstrual é irregular?

 

De acordo com a definição da médica, o ciclo irregular é caracterizado por não ter o mesmo número de dias entre uma menstruação e a outra, com uma diferença maior do que três dias. “Muitas pessoas acham que a menstruação deve vir sempre no mesmo dia do mês, mas isto só acontece para aquelas mulheres que menstruam a cada 30 dias certinho”, esclarece ela.

 

Por exemplo, há garotas com ciclos que menstruam a cada 25 dias. Dessa maneira, elas não irão menstruar no mesmo dia do mês seguinte. Vale destacar que esses casos são normais e não indicam algum problema com sua saúde íntima.

 

É verdade que a pílula anticoncepcional ajuda a regular ciclos desregulados?

 

Existem diversos motivos para começar a usar a pílula anticoncepcional. Lembre-se de que essa indicação deve ser feita pelo seu ginecologista, após uma avaliação do seu quadro e necessidades. Por exemplo, o composto pode ajudar as pacientes com ciclos menstruais desregulados. “Para aquelas mulheres que têm o ciclo muito irregular e se incomodam com isso, os métodos contraceptivos hormonais são uma boa opção”, explica Dra. Andréia.

 

Nesses casos, assim como a especialista destaca, o uso da pílula anticoncepcional resulta em um maior controle sobre a menstruação, deixando que a mulher se programe para aqueles dias do mês. “Usamos a pílula anticoncepcional para aquelas mulheres com ciclo irregular e que apresentam também cólicas e sangramento aumentado”, completa ela. Agora, para quem parou de tomar o anticoncepcional e está preocupada com a irregularidade, o indicado é esperar de três a seis meses para o ciclo regularizar.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Andréia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner
CRM: 153790

Calendário menstrual: saiba como calcular seu período fértil e a data da próxima menstruação

Entender como seu ciclo menstrual funciona é autoconhecimento e garantia de autonomia sobre o seu corpo. Quando você aprende a identificar seu período fértil, por exemplo, fica muito mais fácil para saber quando você está mais apta para engravidar. Outra vantagem é poder calcular quando será a próxima menstruação, o que facilita muito a programação dos seus dias e deixa você mais prevenida e segura. É claro que esse conhecimento é mais confiável para quem possui o ciclo menstrual regular, conseguindo, assim, ter datas mais definidas. Saiba como identificar as fases do seu ciclo e calcular o dia do próximo fluxo!


 

O que é o período fértil e como descobrir quando é o meu?

 

De acordo com o ginecologista Ricardo Diniz, o período fértil antecede e sucede a ovulação, ou seja, o período em que a mulher está mais propensa a uma gravidez. Ele acontece normalmente no 14° dia do ciclo, contando a partir do primeiro dia da última menstruação. Para descobrir quando será o seu neste mês é possível fazer um rápido cálculo. No entanto, o médico destaca: “Seu ciclo deve ser rigorosamente regulado, pois a mulher necessita saber qual será o dia da sua próxima menstruação”, explica. Esse é método é conhecido popularmente como tabelinha e não é considerado seguro pelos médicos.

 

Para calcular, você deve primeiro saber o dia em que irá menstruar. “Pegue esse dia e subtraia 14 dias. O resultado encontrado será o dia da ovulação. Considera-se período fértil os 3 dias que antecedem e os 3 dias que sucedem o dia da ovulação”, ensina o profissional.

 

Como posso calcular a data da próxima menstruação?

 

Nem sempre esse cálculo é possível, especialmente porque nem toda mulher possui o ciclo totalmente regular. O que é necessário entender é que o primeiro dia do ciclo menstrual é o dia que o sangramento se inicia e o último dia é aquele que antecede o dia do novo sangramento. A população feminina, em média, possui ciclos de 28 dias. Isso não quer dizer que o seu ciclo possui 28 dias também. “Cada paciente possui o seu tempo de ciclo, ou seja, pode ser de 30, 35 ou 40 dias, por exemplo. Apenas sabendo o tempo do seu ciclo menstrual será possível calcular a data da sua próxima menstruação”, esclarece o médico.

 

Saber o período fértil e o período menstrual dão a mulher mais segurança, praticidade e tranquilidade para uma programação segura e saudável do seu dia a dia. ;)

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dr. Ricardo Barbosa Diniz - Diretor Clínico do Hospital América de Mauá e Coordenador do serviço de Ginecologia e Obstetrícia
CRM: 83689

Quantos dias de atraso menstrual devo esperar para fazer um exame de gravidez?

Quando sua menstruação é regular e estranhamente atrasa, logo bate aquele desespero: “será que estou grávida?”. Mas, antes de correr para a farmácia e comprar um teste de gravidez, vamos entender como o teste funciona e quando deve ser feito para ter o resultado correto e garantir que, bom, foi só um susto! Antes de entrar em pânico também é importante lembrar que a gravidez não é o único motivo para a menstruação atrasar, ok? Conversamos com um ginecologista para ter orientações de o que deve ser feito no momento da dúvida.


 

O que pode provocar o atraso da menstruação?

 

O ciclo menstrual é controlado por hormônios que podem sofrer oscilações por diversos fatores, causando o polêmico atraso da menstruação. Entre eles, podemos citar períodos de muito estresse, alimentação inadequada, Síndrome de Ovários Policísticos (distúrbio hormonal), variações de peso bruscas e a endometriose. Mas, até quantos dias a menstruação pode atrasar? Segundo o ginecologista Ricardo Barbosa Diniz, não existe regra definida: “Uma variação em até 10 dias pode ser considerada normal. Algumas pacientes podem ter longos períodos de atraso menstrual. Dependerá da existência de algum fator associado”, explica.

 

A regularidade do ciclo menstrual da mulher também deve ser levada em conta. Para mulheres que não menstruam sempre na mesma data, devido à irregularidade, por exemplo, a menstruação naturalmente sofrerá atrasos.

 

Quantos dias de atraso menstrual devo esperar para fazer um exame de gravidez?

 

Tudo irá depender dos seus sintomas e, muitas vezes, da ansiedade. Se você estiver desejando uma gravidez, dificilmente irá postergar sua visita ao médico. No entanto, se estiver assintomática e o foco não for gravidez, poderá aguardar um período maior para procurar seu médico.

 

Existem dois tipos de exames de gravidez, o de sangue e o de farmácia, que é feito a partir da análise da urina da mulher. Ambos tem o objetivo de avaliar a quantidade de Gonadotrofina Coriônica Humana (HCG), hormônio que é produzido quando a mulher engravida. Segundo o médico, somente após implantação do óvulo fecundado no endométrio teremos o início da produção do HCG. O tempo após fecundação para que isso ocorra é de 5 a 12 dias. Portanto, o tempo mínimo recomendado para fazer o exame é de 15 dias após a ovulação. “Considerando que toda a mulher ovula 14 dias antes da sua próxima menstruação, o exame normalmente é feito simultaneamente ao atraso menstrual”, finaliza.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:

Dr. Ricardo Barbosa Diniz – Diretor Clínico do Hospital América de Mauá e Coordenador do serviço de Ginecologia e Obstetrícia

CRM: 83689

A textura da secreção vaginal pode mudar com o uso da pílula anticoncepcional?

Secreção vaginal é um muco transparente e sem cheiro que auxilia na lubrificação e na proteção da vagina. Em algumas fases do ciclo menstrual, a secreção passa por alterações na textura e no volume. Para quem faz uso de pílula anticoncepcional, a textura da secreção também tende a mudar e isso não é algo ruim. Conversamos com especialistas para entender como isso acontece e quando deve ser uma preocupação.


 

Entenda a diferença entre secreção e corrimento vaginal

 

De acordo com a ginecologista Camila Ramos, toda mulher possui uma secreção natural que, em determinada época do mês, aumenta em quantidade na calcinha. Mas, nem sempre isso representa um corrimento vaginal. Quando a secreção é fisiológica não apresenta cor e nem odor forte. Ela até aumenta em quantidade, fica mais consistente e um pouco mais esbranquiçada perto da menstruação, por conta do período fértil, mas não possui sintomas associados e é totalmente saudável.

 

Já o corrimento, deixa a gente em alerta quando é uma secreção com cor amarelada ou esverdeada e possui um cheiro forte. Sintomas como coceira, irritação e ardência na região íntima também são indicativos de que algo não vai bem e podem ser sinal de uma infecção ginecológica, como a candidíase ou a vaginose bacteriana. “Além disso, se houver dor ao urinar ou na relação sexual, a paciente precisa se consultar com seu ginecologista”, alerta a médica. Sendo assim, o especialista poderá fazer uma avaliação microscópica de uma amostra do corrimento e diagnosticar o seu caso. “Hábitos como usar calcinha de algodão, usar sabonete neutro para limpar a região íntima e usar camisinha nas relações sexuais evitam que a paciente tenha corrimentos vaginais”, acrescenta a profissional.

 

O anticoncepcional altera a secreção vaginal


Ao começar a utilizar pílula concepcional não se assuste se o muco vaginal que aparece na sua calcinha ganhar uma consistência mais espessa. Segundo a ginecologista Bárbara Murayama, os hormônios contidos na pílula provocam essa alteração na secreção vaginal como mecanismo para evitar a gravidez: “Dessa forma, a secreção dificulta a passagem dos espermatozóides”, finaliza.

 

Segundo a médica, mulheres que utilizam método de pílula ou outros métodos hormonais devem ficar atentas ao não-uso do preservativo nas relações sexuais: “A mulher corre risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis e alguns corrimentos são causados por microrganismos transmitidos pela relação desprotegida”, esclarece.

 

Este artigo teve a contribuição das especialistas:
 

Dra. Camila Ramos - Ginecologista e obstetra da Policlínica Granato - CRM: 5295691-0
Dra. Bárbara Murayama - Ginecologista - CRM: 112527

O que é anovulação? Existe algum risco para a saúde?

Para entender a anovulação, primeiro precisamos saber como funciona a ovulação. Essa é uma fase do ciclo menstrual, na qual o ocorre a liberação do óvulo pelo ovário, determinando o período fértil da mulher, que ocorre entre os 5 dias antes e depois da ovulação. A anovulação, no entanto, é o nome dado quando esse processo não ocorre. Isso pode acontecer por diferentes motivos, como explicou a ginecologista Amanda Volpato Alvarez!


 

Entenda a anovulação e quais podem ser suas causas

 

A anovulação é o nome dado à falta de ovulação, ou seja, quando a liberação do óvulo pelo ovário não acontece. “Em 70% dos casos isso ocorre devido a uma alteração hormonal, e essa é uma das principais causas de infertilidade feminina”, afirma a profissional. Entre as principais causas de anovulação estão síndrome dos ovários policísticos, baixo peso ou obesidade, atividade física intensa e por longos períodos, alterações da tireóide, entre outras.

 

Como identificar a anovulação?

 

O principal sintoma que caracteriza esse quadro é a falta de menstruação, ou em alguns casos uma alteração bastante acentuada do fluxo. “Eventualmente, pode ocorrer de a mulher ter ciclos anovulatórios”, diz ela. Mas caso isso se repita com frequência ou ela fique sem menstruar por longos períodos, é necessário procurar um médico para investigar a causa dessa situação.

 

Existe algum risco para a saúde?

 

O quadro pode ou não provocar riscos para a saúde da mulher. “Tudo vai depender da causa da anovulação”, explica a ginecologista. Em alguns casos, ela conta que pode estar até mesmo relacionados a tumores que devem ser tratados o mais rápido possível, assim que diagnosticados. “Por isto, o mais importante é assim que perceber a alteração do ciclo menstrual, procurar seu médico para uma orientação adequada”, recomenda.

 

Os tratamentos para anovulação dependem da causa desse quadro

 

O tratamento para a anovulação vai ser específico para a sua causa. A boa notícia é que em grande parte dos quadros ela pode ser revertida! Assim que o diagnóstico for feito, o tratamento será iniciado. “Mulheres com anovulação associada a ovários policísticos serão tratadas com indutores da ovulação”, cita ela. Já mulheres que apresentem o quadro por peso aumentado podem precisar perder peso, e aquelas que tenham outras doenças específicas serão tratadas de acordo com a alteração.

 

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Dra. Amanda Volpato Alvarez - Medicina Reprodutiva – Ginecologista – Obstetra
Faz parte da equipe médica do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia)
CRM 122447

Pages

Latest News

  • Esportes que são a cara do verão! Prepare-se para novas experiências nessa temporada
    Dias ensolarados, altas temperaturas e horário de verão. Para completar, ainda temos os...
  • A água salgada "corta" a menstruação quando entramos no mar?
    A relação entre menstruação e praia gera dúvidas em muitas mulheres. É claro que não há...
  • Estou com um corrimento marrom: o que pode ser e como devo tratar?
    Secreção vaginal ou corrimento? Eis a questão que deixa muitas meninas com dúvidas. Para...
  • Posso engravidar se eu tomar o anticoncepcional atrasado?
    Eita! Passou a hora de tomar a pílula anticoncepcional e você nem percebeu. “Se eu tiver...
  • Transpiração na região íntima: como conter o desconforto?
    Sim. Transpiração na vagina é algo completamente natural e todas têm! O suor na região...
  • Desvendamos 5 mitos sobre menstruação no verão!
    Quer aproveitar o verão ao máximo, mas está preocupada com os dias de menstruação? Pode...
  • Posso entrar na água de absorvente interno? Consultamos uma ginecologista para saber!
    Você não precisa deixar de aproveitar seu dia de sol porque está menstruada. A solução da...
  • Com que frequência você troca o sutiã? Veja cuidados importantes durante o verão para...
    Para muitas meninas, o sutiã é uma peça de uso diário. Por mais discreto que seja, ele é...
  • SEMPRE LIVRE® Adapt Plus se adapta ao seu corpo e te deixa mais segura e confortável na...
    Já se foi o tempo em que a menstruação era vista como algo negativo na vida das mulheres...
  • 5 frases de mulheres extraordinárias para inspirar um pouco o seu dia
    Empoderamento feminino, autoestima, sororidade... Esses são alguns dos termos mais...
  • Pílula combinada: saiba mais sobre seus benefícios e quem deve usá-la
    Blim, blim! É 9 horas da noite e toca o alarme: “Hora de tomar a pílula”, pensa a menina...